terça-feira, maio 01, 2007

MAY DAY



O TEXTO QUE SE SEGUE FOI EXTRAIDO DE UM MAIL QUE ME FOI ENVIADO POR UMA AMIGA MUITO ESPECIAL.

"Falta um post sobre o 1º de Maio e é importante. Cruzam-se e baixam-se hoje de novo os braços, por esse mundo fora, a respeito dos direitos dos trabalhadores, aceitando e quase consensualizando que não é possível criar uma sociedade um pouco mais justa, que não é possível manter as pequeninas regalias que os trabalhadores ocidentais conquistaram á custa de tantas, tantas lutas e tanto heroísmo. E o pior é que os jovens aceitam e não lhes parece razoável lutar. Quando a chama se está a apagar, é outra vez a nossa vez de lembrar que o mundo é feito pelo trabalho do homem e que por isso o homem é o mais importante que existe, sobretudo o homem que trabalha.
Vá lá. Faça um esforço e não deixe passar o dia. Faça-o pelos nossos jovens ."

CELESTE A VERDADE É QUE NÃO SE TRATAVA DE ESFORÇO, MAS OUTROS COMPROMISSOS E O POSTE AQUI ESTÁ PARA QUE A MEMÓRIA NÃO SE APAGUE... OBRIGADO PELA TUA SEMPRE ATENTA E PERTINENTE VISÃO.

Ps. Há um artigo de referencia sobre o 1º de Maio no blog Do Mirante que urge ver e comentar.


24 comentários:

mile disse...

Viva!

Que beleza de video! Permite uma espreitadela a 121 anos de lutas que não podemos consentir que sejam perdidas.

Um amigo também é alguém que nos obriga a ultrapassar os nossos próprios limites!

Um abraço

papagueno disse...

Dias como este nunca podem ser esquecidos, ainda mais agora que os nossos direitos estão cada vez mais ameaçados.
Um abraço.

Maria disse...

Ter consciência, não deixar apagar a chama, olhar para o caminho percorrido como um incentivo e não como um passado morto e longínquo. Tudo permanece, as dificuldades, os objectivos, a legitimidade da luta. Apenas há situações que mudam de nome ou de forma. Não as deixemos encapsular-se e anestesiar a geração seguinte. Boa citação, bom post. Um abraço aos autores.

A. João Soares disse...

Como a amiga que deseja um texto sobre o 1º de Maio e terá dificuldade de ir ao Do Mirante, transcrevo o texto que lá está:

Celebremos o 1º de Maio

Comemora-se hoje o dia do trabalhador em recordação da manifestação de trabalhadores nas ruas de Chicago nos Estados Unidos da América em 1886.
Durante o dia, por todo o País, para não dizer o Mundo, iremos ouvir palavras bonitas, mas que pouco têm de substância a não ser a preocupação de ganhar mais, a subsidiodependência. É de lamentar que ninguém venha lembrar aos trabalhadores que é preciso ética, profissionalismo, vontade de melhorar a formação, para obter mais eficácia e produtividade e dessa forma, contribuir para o êxito da empresa do qual resultará a capacidade de pagar melhores salários e servir melhor os clientes.
Sem uma boa competitividade, a empresa não terá capacidade para remunerar mais os seus colaboradores, a par de uma justa retribuição do investimento (que não deve se exagerada, mas apenas na medida mais adequada).
Gosto de ser optimista e indicar saídas válidas, construtivas para os vindouros poderem ser mais felizes, mas não é fácil, porque, infelizmente, a realidade não está a ser conduzida por directrizes éticas e morais, com o culto da responsabilidade, dos deveres ao lado dos direitos...
Temos de procurar ser coerentes, lógicos, realistas e justamente exigentes para connosco e para com patrões e dirigentes. Todos temos direitos e deveres, que devem ser conjugados numa harmonia equilibrada. Um pouco de utopia é conveniente para acicatar o progresso, mas não podemos concentrar todas as energias em utopias totalmente irreais que nada de concreto nos trarão. Não devemos ignorar as circunstâncias, quando queremos construir algo de real, útil e conveniente para a sociedade actual e vindoura.
Um abraço
A J S

Antonio Delgado disse...

Sem duvida Mila!
As suas palavras estão ainda cheias de sabedoria, as quais me congratulo por estrem expressas neste blog.

Um abraço bem fraterno.
Antonio

Antonio Delgado disse...

é verdade Papagueno e parece que já não representamos nada. Juntos a clamar por direitos, somos apenas, uma forma mais de entretimento nas televisões, para aumentar o "SHARE"...é assim que se diz na linguagem colonizada audiencias?
Um abraço fraterno.

Antonio Delgado disse...

Ola Maria!
subscrevo plenamente a s tuas palavras e mater a chama viva.Esse é o um dever de todo aquele que quer uma sociedade mais justa, perfeita e solidaria .

mile disse...

Ola J. Soares

Tem toda a razão no que diz, mas também eu tenho razão no que vou dizer-lhe: Muitos dos nossos jovens, competentes, muitos licenciados, eu acho que mais bem preparados do que nunca estiveram, não encontram trabalho e por isso, quando o arranjam, sujeitam-se a trabalhar sem quaisquer direitos e isto está a tornar-se vulgar e como tal socialmente aceite. Há muitos trabalhadores competentes que não sabem o que é um feriado pago, ou umas férias anuais ou a tranquilidade de ter um trabalho certo. Cada vez são mais a recibos verdes e sem recibos verdes!
E os seus argumentos, verdadeiros também, infelizmente, estão a ser usados para que possa acontecer o que acabo de escrever. E longe estava eu há uns 10 anos de vir a sentir necessidade de defender quem trabalha bem, muitos mesmo com excelência!
E como diz Maria - não podemos deixar anestesiar a geração seguinte .

Antonio Delgado disse...

Caro A. João Soares, Concordo com aquilo que diz mas sobre o ponto de vista empresarial Portugal não é exemplo porque a mentalidade do empresário português não é a de criar riqueza é GANHAR RIQUEZA PESSOAL exclusivamente. E esta atitude tão diferente, dos países do norte da Europa, reflecte-se em todo a orgânica empresarial com graves problemas na economia nacional. Muitos dos nossos empresários são movidos pelo desejo do lucro fácil exploram descaradamente os colaboradores e se são emigrantes pior ainda. Não é novidade para ninguém esta realidade que tanto jornais a televisão e rádio dão Ecos. Não posso falar em ética e profissionalismo quando na classe empregadora ela não existe. nem agora nem nunca. Isto não quer que não haja empresários exemplares, mas são poucos em Portugal e segundo parece as leis portuguesas não ajudam nada. Talvez aquilo que propõe “Ética e profissionalismo” “deveres e obrigações” deviam de ser dadas primeiro pelos empregadores para que houvesse reciprocidade de valores mas não é assim. Veja como se lapidaram subsídios comunitários por empresários e políticos, alguns conluiados, para vermos esses dinheiros aplicados em carros de alta cilindrada, piscinas e vivendas particulares. E muito desse dinheiro era para formação. Não se compreende como se fazem fortunas e em três dias etc. Como pode haver ética ou profissionalismo quando um trabalhador que procura melhorar na sua formação e está abrangido por leis que o salvaguardam é o próprio patrão que não permite ou deixa ir fazer uma frequência ou frequentar aulas, na universidade porque isso colide com o interesse da empresa. Em que ficamos, no lucro fácil do empresário na exploração do trabalhador ou numa economia estagnada por falta de cultura empresarial e por falta de formação humana e qualificação...onde cabe a ética em todo isto?

Cordialmente
António Delgado

Freyja disse...

la lucha del trabajador sera siempre en este mundo y eso hace que todos abracemos el dia 1 de mayo, con respeto y dignida
y todavia en algunas partes del mundo falta tanto respeto al trabajor, los sistemas modernas no valoran la mano de obra como debe ser por la demanda tan grande que hay en el mercado de falta de trabajo
un hombre sin trabajo es como si le cortaras los brazos cuando tiene una familia y las puertas se le cierran
por todos los que tienen trabajo en este mundo un abrazo
por todos los que sufren la falta de un trabajo que tengan suerte, fuerza y animo
la lucha es permanente
y para ti Antonio un Feliz dia del trabajo
te dejo un abrazo grande y que estes muy bien
que la semana siga linda, besitos


besos y sueños

Antonio Delgado disse...

GRacias Freyja por tua palabras muy humanas en relacion a los trabajadores efectivamente lo que podemos hacer en este momento es denunciar todo lo que sea explotación.

Para ti donde este con el cuerpo o el espiritú mucha felicidad y una semana llena de alegria.

besitos mil para Fryja y otros tantos para su anima gemela.

Mário Margaride disse...

Olá amigo Delgado,

Se há efemérides que não se devem esquecer, esta é uma delas.

Sem dúvida uma data histórica.
Onde os direitos laborais começaram aí ganhar raízes, e ao longo dos tempos se fortificaram e sustentaram. Esperemos que essas mortes, dos trabalhadores de Chicago não tenham sido em vão.
Há hoje vozes que se levantam nesse sentido, mas temos que ser firmes e determinados, na defesa dos direitos laborais e sociais.

Um abraço

Antonio Delgado disse...

Obrigado Mario Margaride pelo sua sempre muito agradável visita. Esta data é muito especial e deveria estar sempre presente nas nossa mentes. A memoria colectiva parece que esta a passar para realidades alfanumericas que ninguém tem acesso senão atraves do clicks. E isso incomoda-me porque, por vezes penso que todos os direitos que se conseguiram também podem regredir com um simples click...Mesmo assim acredito no contrário.

ORTOGAL disse...

Caro António,

Peço-lhe licença para aqui divulgar, e pedrir-lhe que divulgue e que não deixe de participar, no evento que o José Alberto Vasco tomou a seu encargo, e que me parece ser uma boa ocasião para trocar ideias e impressões sobre esta nóvel actividade bloguística.

Fica aqui pois uma cópia do post que achámos por bem colocar no Blog do Bazar das Monjas de Coz:

Falar de Blogs em Alcobaça

Por iniciativa e graças ao incansável José Alberto Vasco, que nestas últimas semanas tem andado num autêntico corropio, decorrerá em Alcobaça no próximo dia 12 de Maio de 2007 entre as 15 e 30 e as 18 e 30, o evento A BLOGOSFERA ALCOBACENSE DESCE À CIDADE... NA ESCOLA ADÃES BERMUDES! Esse evento pretende ser um encontro entre blogues e bloggers alcobacenses, sendo aberto a toda a comunidade e a todos os que nessa tarde queiram confraternizar e trocar ideias com alguns dos mais conhecidos bloggers alcobacenses. Naquele evento será também incentivada e apoiada a criação de novos blogues alcobacenses, que no mesmo dia e no mesmo local contará com um computador essencialmente destinado a esse efeito. Até esta data está já confirmada a presença de vários bloggers alcobacenses, estando o evento aberto à participação de todos, pelo que quaisquer contactos com a organização do evento poderão ser feitos para o seguinte e-mail: javasco@sapo.pt

A Rádio Cister dedicará também no próximo Sábado dia 5 de Maio o seu Programa Publicamente, da autoria da jornalista Piedade Neto, integralmente ao encontro de bloguers alcobacensesa este assunto da blogosfera alcobacense. O programa vai para o ar entre as 12 e as 13 horas, e para participar nele o Bazar das Monjas de Coz teve a honra de ter sido convidado. Nesse Sábado, além da Raquel Romão, estarão também os bloggers José Alberto Vasco (blogue Nas Faldas da Serra), Mário Bernardes (blogue MBlog) e Valdemar Rodrigues (blogue Ortogal).

A. João Soares disse...

Caro António Delgado,
Para que esta colecção e comentários fique mais completa à disposição dos visitantes, coloco a reposta que no Do Mirante dei ao seu comentário aqui também colocado:

Caro António Delgado,
Compreendo perfeitamente o que diz com todo o peso de quem está ao corrente das realidades.
Uma coisa são as boas intenções de quem usa as palavras para definir o que seria ideal, outra coisa é o dia-a-dia de quem sofre e sente as consequências da desordem que reina na vida prática. Mas isso não impede que continue a abanar-se a árvore para cair a fruta podre, a estimular as pessoas para pensarem contra a resignação e a submissão, para que a pressão comece a fazer-se sentir e o panorama se torne mais agradável.
Estou convicto de que o povo mais desprotegido não pode cruzar os braços à espera que sejam os poderosos a cederem parte do seu poder para beneficiarem quem tudo precisa e pouco tem. O movimento, mesmo que desorganizado, tosco, tem de começar por baixo.
Um exemplo prático tem sido verificado com as manifestações contra o fecho de maternidades e centros de saúde. O ministro tem-se visto obrigado a recuar.
O resultado das campanhas dos bloguistas no sentido de acordar os dorminhocos aparece só ao fim de muito tempo, pelo é preciso persistência e paciência.
Um abraço
João Soares

Antonio Delgado disse...

Amigo João Soares é bem lúcida a tua observação, mas por vezes noto que a desmotivação das pessoas é tão grande que dá pena. Elas estão cada vez mais presas às suas circunstancias e necessidade mais prementes. Assim tudo se torna mais dificil e o espirito agregador e a vontade de transformar é mais fraco. É verdade que a nossa actividade (bloggers) ajuda devido à informação que circula de forma muita fluida no entanto devemos de nos recordar que só uma minoria tem computador e dentro dessa minoria só outra se preocupa com estas questões o que quer dizer que é infima a acção apesar de existir. Mas nesta "sociedade do Espectaculo" não sei ate´que ponto tudo isto não é espectaculo e entretenimento e nós mesmos não somos actores desse espectaculo...penso muito nisto.

Um abraço fraterno.
Antonio Delgado

Antonio Delgado disse...

Amigo Ortogal claro que divulgarei, mas na próxima semana, mais junto ao evento. Sobre a minha participação é um pouco complicado dado que tenho uma serie de coisa em mãos e o mes de Abril, tal como tinha dito ao JAV, no final de 2006 ou principio de 2007 era o periodo mais folgado. De Maio até Dezembro o meu tempo irá ser complicado. Hoje mesmo cheguei à universidade e deparo-me com um "problema" inesperado que tenho de resolver... responsabilidades institucionais.
Um abraço.
António

Ludovicus Rex disse...

A Memória não pode nem deve ser jamais apagada.
Um Abraço

Antonio Delgado disse...

Pois sim Ludovicus, por isso cá estamos para manter a chama bem viva.

um abraço

sonhadora disse...

A meu favor tenho a tua amizade que teima em deixar-me sonhar.
Beijinhos embrulhados em abraços

Jorge Casal disse...

António,
Deixei este comentário no GENTES E FRENTES mas como ele é pertinente para aqui deixo-o também.

Fala-se muito em ética, de facto. A meu ver, tem muitas acepções (profissionalismo, honestidade, seriedade, moralismo, etc.). Uma dessas acepções vai de par com os conceitos populares de «bons costumes», «moral/imoral» (no sentido do que é legítimo ou não fazer) e, sobretudo, de «honradez». A transmissão do valor «ética» (honradez, bons costumes) só é eficaz quando o exemplo «vem de cima». Caso contrário temos a ditote do Frei Tomás (que prega uma coisa e faz outra) e a hipocrisia. A Ética é um dos poucos valores sociais que se expandem de cima para baixo. Caso contrário há «costumes do povo» por um lado e das classes elevadas por outro, «povo honrado» e elites corruptas, etc. Ora, como todos sabemos, as «nossas» elites (políticos, juízes, empresários, jornalistas, etc.) são muito pouco notados pela sua «honradez» enquanto a «honradez» era específica do povo. A ética é um valor específico duma cultura. Há culturas que assumem a mentira como válida, portanto, a mentira faz parte da ética.

Eu temo que as muitas referências que os políticos e líderes fazem à Ética sejam um modo como outro de exigirem dos outros o que eles não praticam A propósito da palavra lembro-me da obra «Ética Protestante e Espírito do Capitalismo», de Max Weber, em que este demonstra que o protestantismo inventou o «capitalismo moderno» (um modo racional e legítimo de enriquecer PELO TRABALHO, com exclusão liminar da fraude) enquanto o capitalismo que conhecemos no mundo católico (e asiático) pode confundir-se com a exploração humana e a fraude financeira.

Abraço

Alzira Henriques disse...

Dia do Trabalhador,
É ele todos os dias...
Trabalha-se com afinco, com ardor,
Luta-se, da manhã às noites frias,
Pela defesa do nosso fervor!

Não há razão nem fundamento,
que cerceie a conquista ganha.
Só a ignorância é fermento,
p'ra deixar a luta pela rama!

VIVA A LIBERDADE!
VIVA O TRABALHADOR.

Maria Faia

A. João Soares disse...

Caro Jorge Casal,
Agradeço o seu comentário colocado no Do Mirante.
E assim as ideias avançam em cogitações sucessivas, desvendando paisagens cada vez mais interessantes. O exemplo é ideal para a aprendizagem que leva os menos esclarecidos a seguir os mais iluminados. Infelizmente, as notícias que, com frequência, nos chegam não evidenciam bons exemplos da chamada elite, antes pelo contrário. Se todos nós os imitássemos depressa viria o Apocalipse.
O sua alusão ao protestantismo que fez evoluir os países da Europa do Norte e esta minha ocasional referência ao Apocalipse, fez-me pensar na parábola dos talentos (Mateus 25,14 e Lucas 19,12) que, aos olhos do anti-capitalistas de hoje, é uma imoralidade, um apelo à ganância. Mas... as coisas podem ter os significados mais variados, dependendo da forma como são interpretadas.
Mas, não há dúvidas que a sociedade portuguesa tem necessidade de melhores elites, norteadas por melhores sistema de valores, melhores padrões de comportamento.
Um abraço
A. João Soares

Sara disse...

Por favor ajude esta causa:
http://codigoverde.blog.com/1738546/
Obrigada!