quinta-feira, março 20, 2008

ELEIÇÕES


"As eleições autárquicas já começaram a agitar os partidos políticos, cujas principais figuras locais se estão a posicionar para o próximo combate eleitoral.
Arredado do poder há muitos anos em Alcobaça e Nazaré, O PS tem vindo a percorrer um estranho caminho na oposição.
Não foi capaz de aproveitar a erosão causada pelos anos de poder de Gonçalves Sapinho e Jorge Barroso na presidência das Câmaras dos dois concelhos e, pior, foi reduzindo a votação e perdendo lugares na vereação. Se os partidos fossem geridos como equipes de futebol, alguns dos responsáveis por tão maus resultados eleitorais já teriam sido, certamente, alvo da chamada “ chicotada psicológica”, abrindo caminho ao surgimento de novos protagonistas. O problema é que a lógica partidária não perfilha um caminho de responsabilização dos dirigentes. São vários os casos em que os derrotados acabam, depois, por ser recompensados, com nomeações para altos cargos de confiança politica, invertendo, em certa medida, a lógica do voto popular. A duas semanas das eleições para as concelhias socialistas, em Alcobaça e Nazaré as jogadas de bastidores são mais que muitas, com alguns “actores” repetidos, que teimam em transformar os partidos em extensões dos seus interesses. É por estas razões que, na hora de decidir, os munícipes escolhem quem lhes dá garantias e não embarcam em aventuras. Só não vê quem não quer". In região de Cister Editorial, pagina 2 20/3/2007

A constituição das listas de candidatos nos partidos é sempre uma momento tenso e de confrontação interna?
Mais do que politica, isto parece ser a extensão de conflitos entre vizinhança de aldeia, motivados por vaidades invejas locais e pessoais e interesses obscuros, tudo movido por “sindicatos” de votos; Aqueles que não integram estes conluios ficam debilitados para integrarem listas partidárias mesmo que sejam pessoas dotadas dos maiores méritos. Grosso modo é este o tipo de militância que se vive nas concelhias dos partidos. O sindicato do voto sobrepõe-se aos interesses locais e até partidários, estimulando ainda o caciquismo e o nepotismo evidentemente isto pode provocar o abandono dos melhores . Deste modo se pretende superar a falta de uma doutrina partidária ou de uma ideologia. Se a nível nacional, um partido pode ter ideologia, a nível local, maiormente, não a tem. Por isso as pessoas de bem, como os militantes mais doutrinados afastam-se da vida partidária.
Tirar ou pôr candidatos, na maioria das vezes desconhecidos do grande público e sem mérito, parece ser uma maneira de exercitar a luta interna nos partidos. E é aí que se podem ver em acção aqueles cujo objectivo principal não é tanto trazer votos a uma desejada vitória eleitoral com a melhor candidatura possível, mas, sim, debilitar o adversário interno e controlar o aparelho local do partido que é donde emana o seu poder, o seu estatuto e, inclusive, os seus favores económicos.

18 comentários:

Beezzblogger disse...

Olá meu amigo, apssei para lhe desejar uma excelente Páscoa, e tudo de Bom.

Abraços do Beezz

Lúcia Duarte - o moskito disse...

finalmente alguém politicamente lúcido em Alcobaça. Parece que chegou a hora de as pessoas menos atentas e menos ligadas à politica, perceberem como se movem interesses pessoais e não a defesa dos interesses dos cidadãos.
Chegou a hora da verdade! Basta de gente que se serve de nós para viver e para sobreviver até porque, alguns não sabem fazer mais nada na vida.
Venha gente credivel para a esfera politica de Alcobaça.
e, acima de tudo, venha gente com "tomates" para desmascarar os oportunistas e os que se servem da politica e da boa fé dos eleitores para ascensão pessoal

ANTONIO DELGADO disse...

Caro Bezzblogger, agradeço e retribuo .

Um abraço
António Delgado

ANTONIO DELGADO disse...

Ola Lúcia, é com alegria que a vejo de volta aos ecos. Sim na politica infelizmente há muito lixo, por isso, muita gente de bem não se envolve mais. Concordo que é necessário denunciar e fazer frente a certos e a certas oportunistas cuja existencia deriva apenas de serem filiados/as num partido politico. Fora deles e da politica são nulidades autenticas que nem se dá por elas.

Um abraço.
António

Alzira Henriques disse...

Olá António,

Lamentavelmente, tenho que concordar contigo. E, é pelas tristes razões que apontas que, muitas vezes, assistimos a "piruetas" e inversões de sentido que jamais pensávamos serem possíveis.
Quando as pessoas colocam à frente do interesse colectivo o seu próprio interesse pessoal e não sabem DAR DE SI ANTES DE PENSAR EM SI, torna-se difícil credibilizar a política.
Mas, porque o sonho continua, ainda há pessoas que dão o seu tempo a causas justas sem pensarem em ser os primeiros em quaisquer listas para quaisquer orgãos políticos.
Eu acredito que certas "piruetas" só ficam mal a quem as dá.

Beijo
Alzira

Menina do Rio disse...

Olá António, tu sabes que aqui isento-me de comentar pq não me cabe. Sou estrangeira, rs...
Mas venho, leio-te e te endendo...

Qualquer tempo é tempo de Paz.
E o melhor lugar do mundo é onde está
o nosso coração.
E a sintonia é como uma melodia
Ou um sino ao final do dia
nos chamando a confraternizar.

Não tenho religião, mas acredito na
força maior que rege o mundo e vibro
nesta energia.

Feliz Páscoa!

SILÊNCIO CULPADO disse...

António Delgado
Uma Páscoa Feliz cheia de amêndoas, folares e chocolates.

Um abraço apertado

Céu disse...

Olá António que a Páscoa traga melhores dias...
Pois é triste mas tenho que concordar com o que escreves.
Eu tinha um amigo que conjugava o verbo para definir estas situações:
1º Eu
2º Eu
3º Eu
4º Eu
5º Eu
Sempre Eu

Lúcia Duarte - o moskito disse...

obrigado antónio pelas boas-vindas ao seu blog.
Como lhe disse concordo com as chamadas de atenção para determinados tipos de oportunismo.
e aqui nem refere todos, talvez porque nem tenha conhecimento deles.
o facto é que há muito boa gente a utilizar os cargos que ocupa para fazer do que é de direito comum de qualquer cidadão, uma forma de tentar ter as pessoas nas mãos como se se de um favor se tratásse. é triste mas é assim...

Zé Povinho disse...

A política sem ideologia é um deserto de ideias onde pontua o amiguismo e o poder do aparelho.
Abraço do Zé

Ludo Rex disse...

As 'guerrinhas' internas nos partidos, são mesquinhas, sempre foram... Um Abraço Fraterno

ANTONIO DELGADO disse...

Ola Menina do Rio,
Teu nome faz-me sempre lembrar musica. Tuas palavras são como laxativos para a Alma que muito aprecio e comparto nas ideias.

Um abraço
António Delgado

ANTONIO DELGADO disse...

SILENCIO CULPADO, apesar do atraso obrigado pelos seus desejos que retribuo para todo o ano.

Antonio Delgado.

ANTONIO DELGADO disse...

Sabe Lucia,
A corrupção e a maldade infelizmente está encardida na alma de muita gente que aparentemente parecem que não o são...mas só aparentementemente! Há pessoas que fazem isso que afirma e muito mais, o país está minado delas, por isso ele é o que é e vale o que vale. No entanto cabe aqueles que ainda têm um minino de sentido comúm desmascara-los ... é preciso ter calma e estar sereno, o tempo é mestre!

um abraço
António

ANTONIO DELGADO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ANTONIO DELGADO disse...

CAro Zé Povinho!
Eu diria, Amiguismo, tachismo, oportunismo, intrega, mentira , falsidade e sobretudo muita nulidade à mistura. Isto compensa a falta de ideologia, os principios e a ética. Quem se envolve num processo destes são pessoas que em linguagem Freudiana ou mesmo Lacaniana se designam por recalcados. Têm de si uma imagem negativa e com muito pouca autoestima , no entanto são Compagnons de Route e agrupam-se verdadeiras seitas só assim sobrevivem...

Um abraço
António

C Valente disse...

Saudações amigas

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo CValente,

Obrigado e retribuo cordialmente

António Delgado