terça-feira, maio 26, 2009

POLITICOS: FALTA DE HORIZONTES LABORAIS



Do mesmo modo que nos escandalizamos com notícias sobre ilegalidades de natureza económica, ficamos frios e impassíveis com a fraude política que é a mais frequente.
A lei portuguesa obriga os partidos políticos a apresentar listas ao Parlamento Europeu, à Assembleia da República e às eleições autárquicas.Se esta é a regra, porque é que a composição das listas é sempre um momento tenso e de confrontação interna nos partidos?
Formar listas é a ocasião para medir forças entre as facções existentes. Há militantes apoiados por certos dirigentes que preferem arriscar " a matar" o partido ou debilitar o seu espaço de acção a criarem consensos, no sentido de ser uma força política unida e ganhadora, mas sem a predominância deles próprios. Impõem nomes desconhecidos e sem relevo nas comunidades.
Determinados aspirantes são apenas peões de guerras pessoais, fomentadas no interior das concelhias e estimuladas por (alguns) imaturos presidentes de federações, com fins obscuros mas que nunca servem para o apaziguamento dos partidos como espaços irrepreensíveis de valores cívicos como deveriam ser. Muitas vezes os eleitores não estão a votar em candidatos mas a acentuar tricas internas perpetradas por aqueles a que Moita Flores designava no CM deste último domingo por “funcionários políticos com carreiras frustradas, preguiçosos impantes de vaidade e os caciques mais influentes da política partidária regional”.
Não serão estes preceitos alheios ao serviço público ao qual se destina a vida partidária na democracia? Não deveriam os partidos escolher os mais aptos e com mais aceitação na comunidade por virtudes demonstradas? Que beneficio têm as tricas partidárias para a sociedade ou que razões ocultam?
Em Portugal, o partido que controla um governo local tem poderes, através dos seus eleitos, para nomear cargos e assessores e enredar uma ampla teia de agências, fundações e empresa municipais com plena descrição em política de pessoal. O partido, em vez de zelar pelo bem público torna-se numa agência de empregos e qualquer cidade média portuguesa ou concelho, (entre 50 mil a 250 mil eleitores), acaba por ter umas dezenas ou centenas de pessoas cujo salário depende de o partido X ganhar as eleições. Isto gera diversos incentivos perversos para a corrupção.
Os “empregados públicos” de nomeação política têm um horizonte laboral limitado pela incerteza, (que está sempre nas próximas eleições) e, deste modo, são mais propensos a aceitar ou a solicitar subornos a troco de favores, que empregados, (públicos ou privados), com profissão estável e reconhecida não admitem. É sabido que boa parte dos que entram na política fazem-no por “dificuldades nos estudos, por se ser mau aluno e sem perspectivas de concorrer na sociedade civil e para arranjar um «emprego» bem remunerado e pouco trabalhoso, sem responsabilidades, com impunidades e imunidades. Apesar de todas as carências de saber resultantes desse início, seguem a carreira, podendo chegar a um topo. Hoje qualquer um pode ser político desde que conquiste a amizade de um político ou seu familiar, desde que se inscreva na JOTA e se mostre servil em relação ao líder local, aplauda nos comícios repita os slogans e bajule aos pés do chefe. Conquistará lugar de assessor, seguindo-se deputado, uns tachos.”
Por contraste, numa cidade europeia de 50.000 a 250.000 habitantes, de tradição calvinista ou luterana pode haver, incluído o presidente de câmara, mais duas ou três pessoas cujo salário depende do partido que ganhe as eleições. À diferença do que se passa nesses países, onde os políticos locais estão forçados a tomar decisões junto a funcionários que estariam dispostos a denunciar qualquer suspeita de favor, em Portugal toda a cadeia de decisões está, em mãos de pessoas que compartem um objectivo comum: ganhar as futuras eleições. Permitindo que se tolerem com mais facilidade comportamentos ilícitos, e que, ao haver muito mais em jogo nas eleições, as tentações para outorgar favores sejam igualmente mais elevadas.
Portugal deve de ser dos países (penso que não exagero) com o maior número de advogados nas suas administrações, com os resultados que todos conhecemos. É também a partir desta (má) visão aparentemente legalista que se permite uma margem de discricionariedade, nem sempre de acordo com a protecção do interesse público. Além disso o Chefe de Estado queixou-se há dias de que “as leis são mal feitas”. Será que alguém crê que a solução para a corrupção (local) consiste em ter advogados como governantes a regular todas e cada uma das actividades das administrações? in Região de Leiria

.............................................................................
.....................................
PERGUNTA ESOTÉRICA:
Será que uma alcoviteira, que quer trepar mas que ninguém lhe conhece profissão alguma nem que tenha feito algo de útil onde estivesse, anda a ser paga por algum mafioso para desestabilizar um respeitado grupo de trabalho, como já se diz sobre ela em Alcobaça?


7 comentários:

A. João Soares disse...

Caro António Delgado,
Parabéns por mais um texto de excelente qualidade.
Bem haja pela referência amiga ao meu modesto espaço de reflexão. Procurarei merecer as suas palavras.
Um abraço
João Soares

Zé Povinho disse...

Um dos grandes males de que padece a Administração Pública é exactamente a possibilidade de nomeação de pessoal de confiança política em quase todos os níveis. Meditem só sobre quantos governos tivemos nos últimos anos e vejam só quantos indivíduos lá foram colocados desse modo.
Abraço do Zé

Cila disse...

Olá António,
Estou convicta que enquanto houver “alcoviteiros/as” como essa, é impossível fazer politica séria neste país.
Bjo
Cila

Jorge Casal disse...

A carreira política é uma via de sobrevivência. Ou ganha e mantém o lugar ou passa a não ser nada. Não entra na carreira política quem tem qualidades para produzir ou inventar. É o contrário: quem não sabe fazer mais nada entra na carreira política. Já lá vão os tempos em que o cargo político era «para servir» a colectividade. Hoje é uma profissão. Até se diz «classe política», como existem as classes dos professores e motoristas. Sabem por que é que a abstenção em Portugal bate todos os recordes europeus? Por causa desta concepção portuguesa de «carreira política» - inúteis, parasitas.

A Alcoviteira de que falas (não sei quem é) deve ser desta «classe política» - parasita - que (imagino eu) usa a arma da calúnia e da maldizência porque não sabe fazer mais nada. Deus nos livre dessa maralha política, desse submundo, desses vermes parasitas que se servem da Democracia para explorar o povo.

Para quando a criação de movimentos políticos alternativos?

Nas eleições que aí vêm vamos votar em quem não seja da «carreira política». Só queremos gente honesta, desiteressada, generosa, nos lugares de comando político!

Jorge Casal disse...

Volto à Alcoviteira. Gosto de tratar de alcoviteiros. Tenho a certeza absoluta que essa tal Sª Dª Alcoviteira não sabe fazer nada na vida. Se soubesse, não passava o tempo a alcovitar. Talvez saiba, mas não está para trabalhar. Estará a viver parasitariamente à custa do Fundo do Desemprego? Ou estará com um emprego mas em prejuizo do patrão que não a pode despedir? (A viver à custa dele, parasitariamente. Geralmente, o Estado é um patrão que acolhe bem essa gente inútil, sobretudo calões e calonas que passam o tempo a alcovitar). Será que espera algum lugarzinho numa lista de «politicos de carreira» à custa das quotas para mulheres? Será que se anda a «vender» (entendem-me?) aos políticos estabelecidos na praça (pública)? Muitas hipóteses, mas alguma há-de estar certa. Tão certo como eu estar aqui. Eu é que as topo...

宜蘭民宿 disse...

中醫減重
中醫減重
中醫減重
中醫減重
中醫減重
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿
花蓮民宿

hermeneticamente disse...

Pode este texto ser uma porta aberta a uma democracia directa?