quarta-feira, outubro 07, 2009

ALCOBAÇA: POLITICO PROCURA-SE


Procura-se político socialista (no sentido amplo do termo), com experiência, curtido na vida política mas não corrompido. Procura-se um político predestinado, cuja ambição política esteja no dia-a-dia e não no posto que aspira ardentemente para amanhã ou em quimeras irrealizáveis, que usa e abusa unicamente para se afirmar. Procura-se político que não esteja interessado em benefícios económicos, e vaidades pessoais, mas apenas em servir os seus concidadãos. Procura-se homem com as costas largas, que saiba receber tanto um mandatário estrangeiro como fascinar-se pelas gentes mais humildes e carenciadas do concelho e pelas vendedoras na praça de Alcobaça.
Seria tranquilizador, mas não indispensável, que tivesse preparação e formação académica de nível superior (porque nunca é demais para o caso de o quererem humilhar nalguma entrevista), e que fosse sobretudo humano. Apreciar-se-á ainda o talento para rodear-se de uma equipa de técnicos competentes e honestos que possam superar as suas eventuais carências.
Procura-se político de raça, que faça do posto que lhe seja proposto o objectivo absoluto da sua vida. Procura-se político educado, que não despreze a ironia nem a experiência para polemizar com o adversário. Procura-se político honrado, pouco dado a reciclagens. Alguém apaixonado por esta terra.
Não é imprescindível que tenha nascido aqui, de facto há muita gente que não nasceu cá. O votante não lhe vai exigir credenciais de tipo localista, nem requerimentos de tradicionalista, como comer todos os dias “Maçã de Alcobaça”, “Frango na Púcara” ou beber a “Ginja de Alcobaça”. Muito menos a obrigação de usar algum tipo de roupa feita com “Chita de Alcobaça” ou vestir-se de monge para receber dignitários.
Também não se exige que saiba se o “Senhor fulano tal”, estava ou não na “Tal Reunião ” ou no “Tal Jantar ”, nem se exige que esteja vestido com um fato elegante na 1ª fila da inauguração da “Feira de S. Bernardo” ou na das “Tasquinhas de S. Simão”. Tão pouco se exige que vá ao “Cine Teatro”, que esteja em todos os Jantares dos “Rotários”, que vá à feira dos “Doces Conventuais” ou que assista às palestras - sempre do mesmo - nas esplanadas do Rossio. E muito menos se exige que saiba trautear “Quem passa por Alcobaça”, ou recite de memória a letra desta cantiga, todas manhã em frente ao espelho. Detalhes como estes devem ser substituídos e compensados com uma verdadeira vocação de serviço à população do concelho e com igual orientação para resolver os problemas desta castigada terra.
Excluindo os oportunistas que surgem apenas em tempo de eleições, ou aqueles que politicamente não são peixe nem carne mas descaradas incubadoras de desígnios obscuros e albergues de um ou outro marombista da pior espécie, que para a ocasião se travestem de moralistas e supostos executores de projectos que ninguém conhece ou pode provar. Não consigo entender que entre os políticos que medram e outros que aspiram a qualquer coisa, não haja um cujo sonho seja o de ser verdadeiramente candidato à Presidência da Câmara de Alcobaça com vocação de missionário.

O lugar que os eleitores lhe oferecem é uma pechincha!
Necessita-se de um candidato livre, não manipulável nem subserviente a qualquer tipo de poder, interesses, grupos e esoterismos ou que tenha de demonstrar que é mais da terra que ninguém. E sobretudo que não pretenda engordar o orgulho localista do eleitor com mentiras e promessas que não cumpre, mas que se dedique a praticar uma política progressista e sem adjectivos, unicamente à medida das necessidades do concelho e das suas populações que tanto merecem e almejam.
Haverá mesmo algum ?

4 comentários:

Felisberto Matos disse...

Meu Caro:

O candidato que pretende,de tão esterilizado ,deve ter morrido antes de anunciar a candidatura !
Prefiro alguém que tenha alguns defeitos,tal como eu ,você e todos os outros eleitores .Somos pessoas,somos gente,não é?
Se reparar bem,se conhecer o seu passado , o seu presente (defeitos incluidos) e o que propõe para o futuro de Alcobaça ,a pessoa e candidato que procura,está ao seu e nosso alcance ,é só votarmos nele.Refiro-me,sem sombra de dúvida,ao Rogério Raimundo.

Maria Cristina Quartas disse...

Se aceitam forasteiros… ora cá estou eu – CANDIDATA nº1
Como V.Exa. poderá analisar no meu cv reúno todas as características para esse lugar que apresenta. Sou uma política inata. O meu avô e visavô paternos tb já o eram. Sou uma pessoa com muitas experiências e aventuras…
Efectivamente, a vossa tradição gastronómica é por excelência um atractivo fulcral a esta minha opção. (Pão de Ló de Alfeizerão, Torta de Aljubarrota, Gradinhas de Alcobaça, Delicias de Frei João, Broinhas do Mosteiro, Pudim de ovos dos Frades do Convento, Frango na púcara, cherne à Frei João, sopa de lagosta, as ginginhas, os licores…e as maçãs)… Ai que delicia! Farei tudo para ganhar!...
E por falar em comida, não é por acaso que tenho as costas largas… como V.Exa., Dr. António Delgado faz referência no tipo de pessoa que procura.
Sei receber e recambiar pessoas, de todos os géneros e feitios. Eu sou óptima em Relações Publicas…
Tenho habilitações superiores. Pois possuo a Licenciatura de Animadora Social, pelo processo de Bolonha numa privada (muito conceituada). E sou também Doutorada em Marketing Internacional e Relações Publicas…
Também tenho nível e estatuto superior. Pertenço à fina Flor daqui do sitio. Não falto ao chazinho das 5 aqui no salão de chá da Confeitaria Central. É ai pois, que faço as minhas reflexões e troco úteis ideias com os meus companheiros/as da politica.
Tenho raça (mas não tenho Pedigree! É necessário?). Sou educada porque graças a Deus tive formação religiosa e até fui catequista. Não desprezo a ironia, não senhor! E também tenho muitos bens ao luar.

Quanto ao reparar na presença das pessoas… pois olhe, acho que isso não é função dum presidente (desculpe lá!). Eu é que tenho que ser reparada e vista. Não acha!
É claro que estarei em todas! Acha que eu ia perder os jantares dos “Rotários” ou a feira dos doces “Conventuais?!! Estarei em todas com certeza – para ser vista e enaltecida.

Para sua apreciação, apresento um projecto de alteração ao organograma do vosso Município:
( http://www.cm-alcobaca.pt/index.php?ID=1677)

Seria assim:
Presidência composta por: 3 Gabinetes de Apoio Pessoal; 6 Gavetos Públicos e 3 Departamentos.

3 Gabinetes de Apoio Pessoal:
Gabinete de Apoio à Nutrição Regional e Saúde alimentar;
Gabinete de Assessoria à Imagem e Imprensa Sofista;
Gabinete de Representação e Postura Publica.

6 Gavetos Públicos:
Gaveto do Desporto e Competição;
Gaveto das Actividades Lúdicas e Laser;
Gaveto do Turismo e recreio;
Gaveto da Exploração Artística e Laser;
Gaveto da Acção Social Geriátrica e Invalidez;
Gaveto da Protecção animal, mineral e residual;
Gaveto da Igreja Católica (novo!);
Gaveto das Ideologias Conservadoras e Conservação Tradicional (novo!).

5 Departamentos:
Departamento das Inspecções Fiscais, dos Cortes e das Poupanças (antigo Departamento de Gestão Financeira);
Departamento das Construções, Arruamentos e Conservação Regional (antigo Departamento de Obras Municipais e Ambiente + Departamento de Ordenamento e Gestão Urbanística);
Departamento de Logística Burocrática e do Código Penal (antigo Departamento Jurídico e Administrativo);
Cada Departamento é por sua vez dividido em Divisões. Estas em Secções. E estas por sua vez em Serviços….e mais algumas subdivisões….

Coisa simplificada e mais adaptada ao espírito e às necessidades dos Alcobacenses.

Ah!... pretendo também acabar com a pobreza neste conselho. Principalmente nas pequenas localidades.
Aliás isso é um assunto que o resolverei em dois tempos, se eu for eleita Presidente…mando depois, lá os fiscais…em pouco tempo estará tudo resolvido.

E pronto, é tudo.
Para finalizar esta minha candidatura, gostava apenas de lhe fazer uma simples e pequenina pergunta:
A pessoa que procura tem mesmo que ser socialista? E se for do FCP, não serve?
:-)))

Moisés disse...

De facto, as qualidades dos autarcas no Poder bateram no fundo. Corrupção, intriga, conluios de interesses privados. A Direita, nos poderes concelhios (incluindo o PS), só tem levado os municípios ao individamento. É gastar à tripa-forra - que os munícipes pagarão. Na Esquerda reside a única esperança de encontrarmos autarcas solidários com as pessoas, que pensem nas pessoas e não nos amigalhaços do betão.Reconheço que é difícil; o fascismo deixou muitas marcas culturais no Distrito onde imperam os manipuladores e chantagistas do PSD e algum obscurantismo do CDS.
Mas já estamos a ver algumas mudanças. O Bloco de Esquerda - de que fui mandatário pelo distrito de Leiria - já elegeu um deputado ào Parlamento. Esperamos que eleja, agora, alguns vereadores às diversas Câmaras e deputados às Assembleias Municipais. Sem menosprezo pelos amigos da CDU de que um dos eleitores se manifestou num comentário anterior, o Bloco de Esquerda faz a diferença: é uma esquerda moderna, plural, jovem, generosa, incorruptível. Os projectos e ideais do Bloco vão contagiando a classe média e o povo esclarecido politicamente, mas sem gregarismo nem manipulações. O Bloco de Esquerda é como um fermento que transforma a massa sem se tornar massa.

O António procura, para Alcobaça, um político socialista que não ponha os seus interesses pessoais e dos seus comparsas acima do interesse dos alcobacenses? Aconselho ao voto no Bloco de Esquerda, mais precisamente, na lista encabeçada pelo Dr Adelino Granja.
Moisés Espírito Santo

Arte e Liberdade disse...

Como estamos em período de reflexão só posso dizer que me oriento pela esperança (sem fézada), o humor e o espírito (sábios) e rebusco tudo, até nas mais altas prateleiras.