terça-feira, outubro 12, 2010

James Murphy e uma visita a Alcobaça.

James Murphy
Gravura feita a partir de uma pintura de Sir Martin Archer Shee,
famoso pintor de retratos da aristocracia inglesa.

Como todos os estrangeiros que passaram por Alcobaça e escreveram as suas impressões do que viram, o arquitecto Murphy não foi excepção.
O interessante das descrições destes viajantes é a variedade de interesses que focam, bem como os pontos de vista onde centram os olhares.
No caso de Murphy é curioso ver como ele relata as práticas historiográficas portuguesas, que dá mostras conhecer, e que constata estruturarem-se em milagres para explicarem o real.
É o discurso religioso a contaminar o discurso histórico. Um discurso que em alguns meios académicos ainda subsiste.
Por graça, e com um british humor, contrapõe aquilo que é um facto: os nossos principais monumentos não surgiram de práticas devotas, mas de práticas comemorativos. Isto é: Os grandes monumentos portugueses ergueram-se exclusivamente para agradecimento e paga de promessas por benefícios recebidos ou solicitados ao divino.
Aconteceu com os mosteiros de Alcobaça, da Batalha, dos Jerónimos, o convento de Mafra, …

Isto é curioso em termos de como se vive o catolicismo, e é de perguntar se a religião católica em Portugal, como fenómeno estruturante da espiritualidade Portuguesa, está assenta na devoção ou no interesse.
Como arquitecto, Murphy admirou-se com a grandeza do mosteiro de Alcobaça em termos de conjunto edificado, por contraste com outros monumentos portugueses. Mas não deixa de fazer reparos ao monumento, alguns até bem interessantes sobre erros técnicos e de interpretação em relação ao estilo em que o catalogavam. Chega a referir a não existência de elementos que possam estabelecer uma relação com o estilo gótico e recorre até à ideia da proporção das estruturas…
Sobre o interior relata-nos as suas apreciações estéticas e descreve algumas obras existentes. Estas apreciações são feitas em tom de reprovação, outras de forma mais neutral e outras com satisfação. Mas por elas sabemos terem existido pinturas de um tal Vasques, Josefa de Óbidos, um suposto quadro de Ticiano e retratos dos monarcas portugueses, desde a fundação de Portugal até ao período em que ele visitou o complexo monacal, executados por um tal Antino Amaral.
Desde a saída dos monges de Alcobaça até à actualidade, diversas são as obras literárias, algumas escritas de forma ligeira e outras por pessoas sem autoridade, que testemunham um espólio artístico que o mosteiro possuía, e das quais não tenho razão para duvidar. Mas em rigor não se sabe quantitativa e qualitativamente qual era. Nem mesmo se sabe o nome dos artistas com trabalhos representados. Apesar disto, creio haver relações dos bens de várias épocas e das encomendas de trabalhos a artistas, mas suponho que nada está estudado.
Proporcionalmente à falta de estudo, cresceram mitos que nunca foram destruídos sobre o edifício, os monges, a agricultura e a arte existente no mosteiro. Um desses mitos é o dos “Monges Barristas”, no entanto ninguém conhece o nome de algum deles. O mito dos “Monges Barristas” é uma ideia carente de fundamento, mas que deleita os rabiscadores de histórias do Mosteiro sobre os monges e a suposta agricultura monástica.
Impressiona o esforço com que impingem essa ideia delirante até à exaustão nos jornais locais, mas que em boa verdade só existe na fantasia deles. Esta fantasia já se transformou em patologia, e a patologia em sinónimo de aridez intelectual. Infelizmente é também com ela que se nutre a falta de “massa crítica” de que Alcobaça tanto carece, como alguém já afirmou… e tanta falta faz.
O relato de Murphy sobre Alcobaça tem cerca de 20 páginas. Fiz delas uma selecção, para dar continuidade aos textos de estrangeiros sobre o mosteiro e a terra…


por James Murphy
Vista de Alcobaça, inicio do século XIX

"Ergue-se o Real Mosteiro de Alcobaça numa bonita vila do mesmo nome, cerca de 15 léguas ao norte de Lisboa.
Está bem abrigada, especialmente para oeste, por terrenos elevados e que gradualmente vão subindo a urna altura considerável. Toda a região vizinha está bem cultivada e produz trigo e frutas de várias espécies.
Ao examinar a origem das edificações religiosas do século XII, ob­servamos que a maior parte delas provém da gratidão por diversos fa­vores recebidos nos campos de batalha ou ainda tendo em vista o resgate dos pecados do primeiro homem. Não é pois impropriamente que são chamados templos de gratidão e penitencia. Este magnífico monumento tem, indubitavelmente, a sua origem na primeira causa.
Foi fundado em 1170 por D. Afonso71 o primeiro rei de Portugal, depois da conquista de Santarém aos Mouros, no cumprimento do voto que fizera de perpetuar a memoria do feito com a fundação de um mosteiro72.
Faria73 relata que S. Bernardo (residente, nesse tempo, em Claraval, na França) sendo inspirado pelo piedoso desígnio do rei, enviou dois monges para principiar o mosteiro no próprio dia em que fora feito o voto.
Adiante observamos que o local originariamente escolhido não foi aquele em que esta construído. O plano tinha sido trabado para os alicerces serem abertos junto a estrada, mas um anjo veio uma noite afastá-los alguns pés para trás, para mais adequada situação. Este notável acontecimento está representado num grande painel que podemos admirar na galeria do Hospicio75.
O mesmo anjo teria feito uma louvável acção tornando extensiva a igreja paroquial a sua delicada emenda. Esta ergue-se no lado oposto ao mosteiro, a meio da estrada principal, numa situação mais indicada para um arco triunfal do que para um edifício de devoção.
Milagres deste calibre, tão raramente ocorridos em nossos dias, não eram, ao que parece, invulgares nestes tempos primitivos. Escritores idóneos afirmam-nos que quando Constantino-o-grande intentou trans­ferir a sede do Império para este, escolheu Calcedónia para capital. Quando os cabouqueiros começaram a abrir os alicerces, algumas águias, as antigás mensageiras de Júpiter, transportaram esses alicerces e deixaram-nos cair sobre Bizáncio. Perante isto o Imperador determinou que se construísse a nova cidade onde ela se encontra actualmente.
E muito lamentável que estes guardiões da arquitectura não tenham feito uma visita a Londres. Seriam poucos os londrinos que teriam pena de ouvir dizer que a igreja de S. Clemente, na Strand, havia sido con­templada com um desses milagres.
Mas voltando ao ponto: este mosteiro pode considerar-se como co-memorando três acontecimentos notáveis - a origem da monarquia por­tuguesa, a fundação da Ordem de S. Bernardo e a introdução de uma nova arquitectura no reino, a qual é chamada pelos nossos antiquários o "Moderno Gótico Normando".
A igreja é inteiramente construída neste estilo, excepto a frontaria de oeste, que é mais moderna que o restante e exibe como que urna selecção dos defeitos dos estilos Toscano e Gótico.
Ao entrar na igreja, pelo lado oeste, surpreende-nos a grandiosidade do efeito geral, peculiar aos interiores das igrejas góticas. Muito poucas, porém, a possuem em tão alto grau como esta. A perspectiva do limite este termina numa magnificente gloria colocada sobre o altar a urna distancia de 300 pés da entrada. Na aparência esta distancia figura como mais considerável pela pouca largura da nave e pela sucessão regular dos pilares, em número de 26, isto é: 13 de cada lado. Cada pilar dista do outro 17 pés e 3 polegadas, mas segundo as regras obser­vadas nos mais proporcionados edifícios góticos, esta distancia é um terço menor do que deveria ser.
A prolongação dos pilares está portanto defeituosa. As suas dimensões são maiores do que o arco requer. Sem dúvida, o arquitecto desconhecia a lei dos mínimos em construção, que a experiencia ou a ciência ensinaram aos seus sucessores nesta arte.
No conjunto existe urna diferença muito pequena entre a arquitectura desta construção e a chamada Normando Antigo ou Saxão, em que os arcos são pontiagudos em vez de semicirculares, como neste último estilo. Em muitos outros aspectos observamos as proporções defeituosas e as rudes esculturas das igrejas saxónicas. Os capitéis, principal­mente, são blocos quase lisos e as bases dos pilares têm poucos ornatos. Os flancos dos arcos e arquitraves das janelas precisavam daquela profundidade e agudeza para darem um aspecto delicado.
O limite este ou coro é de forma semicircular, a maneira das antigás igrejas, ou basílicas, as quais o abade Fleury supõe terem sido feitas desta forma, pelos cristãos, para imitarem, em parte, os tempos judai­cos onde o Sinedrim reunia.
O trabalho gótico, que primeiramente decorava o coro, está agora revestido de colunas gregas com todos os seus acessórios. Esta modificação foi feita há cerca de 18 anos por um escultor inglés chamado William Elsden, a pedido dos frades. Nada pode haver de mais desagradável para qualquer amador de antiguidades, ou mesmo para qualquer pessoa de menor gosto, do que este remendo em estilo grego na parte mais vistosa do monumento construído no simples estilo gótico.
Como a igreja de Alcobaça é, na Europa, um dos primeiros espécimes do Moderno Gótico Normando e talvez o mais magnífico do período longínquo em que foi fundada, muito nos aprazaria, se não fosse estranho ao nosso assunto, dar mais pormenorizados informes da sua arquitectura, ilustrando-os com gravuras. Poderíamos assim demonstrar que as conjecturas respeitantes a origem do estilo gótico não estão confirmadas neste edifício, porque nada encontramos, nem de longe, que possa ter semelhança com as âncoras ou ramagens da arquitectura Mourisca ou Sarracena, em que se supõe terem sido inspirados os arcos pontiagudos.
A frontaria oeste do mosteiro, incluindo a igreja, que se encontra ao centro, tem o comprimento de 620 pés, sendo a profundidade de 750. O espaço aqui compreendido é ocupado por dormitórios, galerias, claus­tros, etc. Um escritor português, falando da magnificência deste mos­teiro, diz que os seus claustros são cidades, a sua sacristia uma igreja e a igreja uma basílica.
Para melhor se conceber a ideia do que dizemos, vamos dar as dimensões dalguns compartimentos. A cozinha, por exemplo, tem o com­primento de cerca de 100 pés por 22 de largura e 63 de altura, desde o chão até á abobada. O fogão tem 28 pés de comprimento por 11 de largura e está colocado ao centro da casa, em vez de estar, como habitualmente incrustado na parede, tendo assim acesso por todos os lados. A chaminé forma uma pirâmide que se apoia sobre 8 colunas de ferro fundido. Uma corrente de agua, subterrânea, passa por entre o solo, inundando o pavimento quando se pretende lavá-lo.
Apesar das suas grandes dimensões, este compartimento nunca tem sequer, uma polegada desocupada, desde manhã até á noite, porque toda a industria do convento ali está concentrada. Os trabalhos são feitos sob a vigilância de um dos irmãos leigos.
O refeitório tem o comprimento de 92 pés por 68 de largura. Esta largura está dividida em três pórticos com duas series de colunas de pedra. As mesas estão colocadas nos dois extremos da parede. No topo, onde o prior toma o seu lugar, existem 2 grandes quadros: um repre­senta a última Ceia e o outro Cristo e os dois Discípulos de Emauz.
Não podemos deixar de mencionar a adega, por ser um dos mais valiosos compartimentos pertencentes ao mosteiro. Tem 40 grandes cas­cos que se calcula conterem perto de 700 pipas de vinho.
E digno de nota o facto de estes frades que se congregaram no pro­pósito manifesto de estudar tanto como de orar não possuírem uma biblioteca a não ser que mereça este nome o que não passa de um gabi­nete que escassamente contem tantos livros quantas são as pipas de vinho que existem na adega.
A ala noroeste do mosteiro está destinada 3. recepção dos visitantes e daí a designação de Hospício.
Toda a sua extensão, que é de 230 pés, está dividida em cómodos e magníficos aposentos. As antecâmaras têm boas pinturas sendo de men­cionar especialmente o Julgamento de Salomão e muitos retratos de papas e cardeais, muito bem executados por um artista português chamado Vasques. Entre estes últimos retratos encontrei um de S. Tomás de Cantuária.
Os aposentos reais estão decorados com os retratos dos soberanos de Portugal, desde a fundação da Monarquia até aos nossos dias. Ultimamente têm sido pintados por um português, chamado Antino Amaral. Lamento que o amor a verdade me não deixe dizer que estão bem feitos.
O pintor mostra ter um completo desconhecimento do valor da luz e das sombras e uma ideia imperfeita do que é desenho. Existe aqui um retrato pintado por uma senhora portuguesa chamada Josefa que vale toda a colecção.

A serie de retratos mencionados está disposta pela seguinte sucessão cronológica: No compartimento a que chamam Sala do Trono, encontram-se va­rias estatuas dos reis de Portugal, feitas por um escultor de Paris, algumas colocadas em nichos e outras sobre pedestais com a altura de 8 a 9 pés. Não me lembro do nome do artista, nem nunca, talvez, ele tivesse sido incluído na lista dos verdadeiros imitadores da Natureza.
No terceiro dia da minha chegada aqui, fui conduzido por dois frades aos aposentos dos noviças.
Logo na galeria de entrada, encontrei urna quantidade deles, entre os 14 e os 18 anos de idade, alinhados como soldados. Conservavam-se numa atitude respeitosa, de olhos fixos no chão, enquanto o superior, designado por Padre-Mestre, eslava em frente deles, com um livro nas mãos. Não me surpreendeu verificar que a presença de um estranho os fizesse levantar a cabeça.
Na Capela dos Noviços existe uma das mais apreciáveis colecções de pintura do reino. Para não abusar da paciência dos frades apenas tive tempo para examinar algumas delas.
Representa um dos quadros uma pequena figura da Madona, que se supõe ter sido pintada por Ticiano e que é bem do seu estilo. O colorido é delicado e ainda que de urna leve pintura, tem um efeito grandioso e forte, pela maneira artística como são contrastadas as cores.
Os estranhos, segundo ouvi, são raramente autorizados a visitar os aposentos dos noviços; se não fosse isso teria feito o catálogo desta valiosíssima colecção.
Daí passei ao lado oposto, por um corredor, onde havia de cada lado uma ala de celas pertencentes aos noviços, que, de momento, estavam ausentes. As dimensões de cada uma não deviam ir além de 14 por 9 pés.
Quereria tê-las visitado, mas era o Superior que tinha as chaves. Em cada urna das portas havia urna abertura por onde pude observar numa das celas, um airoso moço de aspecto macerado e pálido, de uns 16 anos, que usava vestes longas e negras, em atitude de oração, com o rosário nas mãos e os olhos fixados num crucifixo. As paredes em redor estavam despidas de pinturas ou quaisquer outros ornamentos, pelo que a sua meditação não poderia ser distraída.
A luz do dia entrava por uma pequena abertura situada junto ao tecto. Esta luz, coando-se apenas por um buraco, deixava cair do Sol poente os raios que incidiam sobre a sua tonsura, fazendo-a brilhar, enquanto tudo em redor mergulhava na sombra. Se Rafael tivesse desejado inspirar-se ali para a sua tela a "Súplica", não poderia ter encontrado melhor luz para tão belo efeito.
Sem intuito de me meter a apreciar a doutrina da Igreja no que se relaciona com a extinção ou regularização das paixões; observarei, no entanto, que, se a obediência e a solidão são das principais virtudes, grande deve ser a recompensa por estas provações.
Para que os frades nada mais tenham a desejar para o seu bem-estar, ou felicidade na vida monástica, estão dotados com um grande jardim, nas traseiras da igreja, plantado de árvores e arbustos e onde eles podem fazer agradáveis passeios. Ai se recreiam todas as tardes. A intervalos, existem caramanchões feitos entre o arvoredo, com bancos, onde os padres se abrigam do calor do Sol, a estudar ou a meditar. Ao centro deste jardim há um bonito lago oval, de 130 pés de diâmetro, com um obelisco ao centro.
Há vários ciprestes, ao fundo do jardim, cuja ramagem é engenhosamente trabalhada, representando figuras de homens, alguns caçando outros rezando. Usam umas largas tranças, outras cabeleiras. Esta espécie de estatuária, ainda que não classificada entre as belas-artes, aproxima-se mais da Natureza do que qualquer outra, porque estas figuras silvestres crescem na realidade, e são diariamente alimentadas pelo produto do solo. Têm o seu Inverno, Primavera e Outono e vivem e morrem como qualquer outro ser animado.
Contíguo ao jardim que venho mencionando, encontra-se uma coelheira pertencente ao Mosteiro e construída por forma que nunca havia visto.
Tem 200 pés de comprimento, por 125 de largura. Cercada de pare­des com 16 pés de altura. O chão é pavimentado com grandes ladrilhos quadrados cujas juntas estão ligadas com cimento.
Há pequenos abrigos ao longo do muro, onde estão colocados potes de barro ovais, com 11 polegadas de altura e 9 de profundidade. Cada um destes potes tem na parte da frente urna espécie de tubo arredon­dado, por onde a coelha aqui gera e cria os seus filhos. Dentro da área da coelheira há também varias filas de potes colocados visivelmente a parte, para os machos. Estão calculados, ao todo, em 5 ou 6.000 os coelhos que ali vivem alimentados pelas plantas dos jardins vizinhos juntamente com as sobras do convento.
Os frades deste convento bem como os do Porto, de que já falámos, não devem andar a pé fora dos domínios do mosteiro. Quando têm de viajar, são transportados em carruagens ou em mulas. Tinham grande número destes animais nas cavalariças, parecendo preferi-los aos cavalos, talvez por humildade, porque Guevara diz-nos que até ao seu tempo era um desprestigio para um cavalheiro, em Espanha, cavalgar uma mula.
D. João II, tendo noticia que estava quase extinta a criação de cavalos em Portugal, tentou incrementá-la proibindo o uso das mulas, mas o clero recusou-se a cumprir estas ordens e apelou para a Justiça do papa.
Não querendo o rei entrar em pleito por tal motivo, emendou a ordenação e inseriu-lhe urna cláusula onde se permitia a todo o clero continuar a servir-se de mulas, mas proibiu, sob pena de morte, que fossem ferradas. Assim calou as objecções, e venceu o rei o seu propósito.
O leitor facilmente poderá conceber o grande rendimento que é preciso para conservar esta instituirão, onde há cerca de 300 pessoas, incluindo criados, vivendo esplendidamente.
Mas o régio fundador teve o cuidado de prever todas as contingências. No momento em que fez a promessa da sua construção, dotou-o com todas as terras e mar que se divisam do cume da montanha vizinha e que atinge um largo horizonte. O rendimento tirado desta vasta área de terreno torna Alcobaça uma das mais ricas é mais magníficas instituições do género, não somente em Portugal, mas em toda a Europa.
Muitos dos seus privilégios têm sido ultimamente restringidos; no entanto, é opinião de muita gente que ainda possuem muitos. Julga-se também que o rendimento é demasiado grande, partindo do princípio de que a riqueza incita mais a recreios do que a oração.
Devo dizer que a estadia aqui, de 3 semanas, pode mostrar-me que estas acusações não têm base; pelo contrario observei a maior temperança e decoro, ao mesmo tempo que a hospitalidade e o conforto espi­ritual prevalecia em tudo.

Cada frade conserva a sua categoria, de acordo com a prioridade ou eleição. Os frades mais novos são muito submissos aos superiores e to­dos devem obediência ao Abade-Geral, que tudo dirige como chefe. Este prelado só tem como superior o cardeal. Tem a categoria de bispo, é esmoler do rei e chefe de todos os mosteiros e conventos beneditinos em Portugal. E eleito por 3 anos. Esta é a segunda vez que o actual Geral está desempenhando este cargo.
Qualquer estranho que visite este convento pode estar certo de en­contrar urna recepção hospitaleira.
Muitos jovens desta província são mantidos e educados pelos frades.
As sobras do refeitório são distribuídas pelos pobres, além de que há refeições propositadamente preparadas para eles, 2 vezes por semana. Assim, centenas de indigentes são constantemente alimentados aos portões do convento e os seus rendeiros vivem, pelo que se vê, mais confortavelmente que os de qualquer outro reino.
Os que protestam contra a opulência destes monges fariam bem em indagar se entre nobres e plebeus de toda a Europa, possuindo rendimento igual ao deste mosteiro, há alguém que espalhe tantos benefícios sobre os seus semelhantes como os padres de Alcobaça.
Nos arquivos do mosteiro está guardado, entre os muitos utensílios do culto, um cálice de ouro, trabalho delicado e que tem excitado a curiosidade de muitos sábios e letrados.
Está cravejado de muitas pedras preciosas, de cores diversas e orna­mentado com vários grupos de lindas figuras em baixo-relevo, repre­sentando a Paixão de Cristo.
Os frades não estão satisfatoriamente informados acerca dele, nem os arquivos fazem menção da época em que foi feito, nem por quem. Na opinião de alguns, é atribuído ao rei D. Manuel, outros supõem que foi adquirido com as jóias de D. Inês de Castro, aqui sepultada; outros ainda calculam que foi comprado com o tesouro de diamantes e anéis que D. Afonso I legou ao mosteiro, por sua morte.

....................................................... corte no texto......................................................................

Como era considerado um autor de apreciável mérito no seu tempo, talvez possa desculpar-se a forma como trata o assunto e quanto se alargou nas suas considerações.
"Vendo, pois, que uns hospedes olhavam com atenção para as letras do Cálice, perguntei aos Padres se se sabia a significação delas; responderam! que muitos especulativos e homens doutos haviam trabalhado para as explicar, mas que até aquele dia ninguém se arrojara a interpretação do literário enigma. Levado de curiosidade trasladei os misterio­sos caracteres, não com presunção de os decifrar, mas com atenção de ocupar no exame deles algumas horas que o ócio poderia usurpar na tranquilidade do meu retiro.
"Por urna parte se me afigurava que toda aquela metálica literatura poderia ser fantasia do artífice para dar tratos a engenhos curiosos. Por outra parte parecia-me injustiça cruel letras tão formosas sem alma e, no meio de tanto oiro, sem valor. Mas todas as vezes que me convidava o génio para a interpretado delas via-me mais embaraçado que os argonautas na conquista do Velo de Oiro, o qual (segundo a opinião de alguns químicos) também era enigma de letras de oiro... Nesta perplexidade, não tendo eu, como Jason, uma Medeia para condutora na empresa, entendi que so a arte cabalística me daria o fio preciso para me tirar deste labirinto.
"Cabala ou Kabbala, é palavra hebraica que significa Recepção; deriva--se da raiz Kibbel, que vale o mesmo que Entregou ou Ensinou. Da Cabala se verificam estas duas etimologias de Recepção e Entrega; porque como antigamente Cabala era ciência que se ensinava sem livros e sem escritos e só por secreta locução se comunicava ... Entre a Cabala dos antigos e moder­nos Hebreus vai grande diferencia. A Cabala dos antigos Hebreus era a soberana e misteriosa doutrina que Lhes fora comunicada por Moisés. Em confirmação desta verdade, diz Célio Rodigínio que no monte recebera Moisés duas leis, urna literal, que ele por mandado de Deus escrevera e fizera patente aos olhos do Povo; outra espiritual, que ele revelara a setenta dos anciãos e sábios daquela nação e sucessivamente a alguns outros, para que de pais para filhos se fossem com discreta suavidade propagando os mistérios daquela sublime doutrina, a qual se chamava Mercava, que quer dizer Ciência do Carro, cujo objecto era o mundo intelectual.

"Com esta secreta comunicarão, foram os filhos herdando de seus pais os inestimáveis tesoiros de urna divina ciência; e não só os Hebreus mas também entre Caldeus, Petagóricos e Druidas (antigos filósofos da Gália) pelo espaço de muitos séculos sem escritos nem livros, se foram ocultamente insinuando nos ânimos humanos umas notícias que com vocábulo grego foram chamadas Agrafa e ainda hoje com sua noção originária conservam! o nome de Cabala; mas como com o tempo se perverte e deprava tudo, no entendimento dos doutores hebreus insensivelmente se foram apagando as luzes daquela tão misteriosa como oculta ciência e assim como a curiosidade intemperadas e mal regulada faz degenerar teólogos em heresiarcas, astrónomos em astrólogos judiciários, dialécticos em sofistas, filósofos naturais em alquimistas, etc., assim com o curioso excesso de licenciosas especulações se foram os doutores hebreus desfazendo em pomposas futilidades, a que eles chamam Alegorías, donde Lhes veio a eles o nome de Cabalistas Alegóricos ou Alegorizantes.
"Para estes Cabalistas acreditarem o inutilíssimo estudo de suas can­sadas alegorias, deram a entender aos seus sequazes que o sentido Ale­górico das Escrituras é muito superior ao literal; porquanto este é prático, está embarazado com circunstancias do lugar e do tempo; mas o sen­tido Alegórico (como especulativo) levanta a alma das matérias tempe­ráis e celestes, e eternos objectos, que como tais são imagens e espelhos da Divina imutabilidade. Finalmente, das Alegorias declinou a Cabala para a observação das letras, na qual depois de muito trabalho, entre muitos nadas, apenas se achara alguma substancia ou noticia digna de estudiosa curiosidade.
"Divide-se esta última Cabala em três. Gametria, Notárica e Ternura; a Cabala Gametria declara as palavras pelas transposições das letras; a Cabala Notárica, de cada letra faz urna palavra inteira, ou explica urna palavra por outra que contém o mesmo número; e Cabala Ternura, a que outros chamam Ziruph, consiste na troca das letras, que em certas combinações se fazem equivalentes a outras.
"Para o meu intento não podiam servir as duas últimas Cabalas, Notárica e Ternura, porque as letras do Cálice são muitas e ordinaria­mente as ditas duas Cabalas só se usam para encobrir o sentido de poucas letras, como constará dos exemplos que se seguem.

Do segundo verso do salmo terceiro, aonde lemos Multi insurgunt adversum me escolhe a Cabala Notárica esta primeira palavra Multi, e adiando que na língua hebraica está escrita com R, B, I e M, depois de varias especulações assenta que os ditos quatro caracteres sao as letras iniciais dos nomes de quatro nações; de sorte que R, significa Romanos, B, Babilonios, I,Jonios id est Gregos, e M, Medos. Em poucas letras poderá esta Cabala Notárica ter algum uso; e achamos que dela se valeram os Romanos em epitáfios e outras inscrições; tanto assim que ainda hoje são célebres no Mundo as quatro letras S.PQ.R., cujo sentido (como todos sabem) era Senatus Populusque Romanus ... Pelas regras desta própria Cabala achou um curioso nas quatro letras do nome Adam as qua­tro letras iniciais das quatro partes do Mundo, na letra A, Anatoli, que em grego quer dizer Oriente; na letra D. Dysis, que quer dizer Ocidente; no segundo A, Arctos, que vale o mesmo que Norte; e na letra M, Mesembria, que vale como Sul ou Meio Dia; e assim com misteriosa brevidade o nome do primeiro monarca é urna cabalística indicação das quatro partes do seu Império.
"A esta Cabala Notárica se pode reduzir outro significado de letras, segundo o valor que elas têm nos outros alfabetos de diferentes idio­mas, particularmente naqueles em que cada letra é dicção inteira, como no alfabeto hebraico Aleph, Beth, Dalet, Ghimel, etc., como também no alfabeto grego, Alpha,, Vita, Gamma, Delta, em muitos outros idiomas se podem formar orações inteiras com duas ou três letras do seu alfabeto ... os Caldeus chamara ao^4, Elpha, os Siriacos, Olaph ouAlyn; os Árabes, Turcos e Persas dizem Aliph; os Egipcios Athomus; os Etíopes Alph; os Armenios, Aip; os Esclavões, Alemoxi, e assim sucessivamente ... Aluph v.g. ou Aleph, que é o A dos Hebreus, quer dizer príncipe, e por isso a escolheram para cabera do seu alfabeto e como princesa das suas letras ... o Alpha dos gregos, na linguagem dos Tísios, é o mesmo que Boi e como no tempo que lançava Cadmo os fundamentos de urna cidade na Beócia topou com boi, quis o dito Cadmo que o nome deste animal precedesse todas as demais letras, chamando ao Alpha, quanto mais que na estimação daqueles Povos pelas grandes utilidades da agricultura era o boi o príncipe dos animais do campo ...
"Na segunda Cabala, a que chamara Ternura ou Ziruph achei ainda menos de que aproveitar-me do que na primeira ... A Cabala a que os Hebreus chamam Gametria é uma transposição de letras da qual nascem palavras distintas e significativas ou palavras que, unidas em oração, fazem sentido, v.g. no Cap. 20 do Éxodo, vers. 23, aonde diz a vulgata Praecedet que te Ángelus meus em lugar de Anjelus, diz a versão hebraica, Malaché e na transposição anagramática das letras deste nome acharam os Cabalistas que Malaché faz Michael; com este fundamento pretendem que o Anjo em que fala a Escritura, no dito lulgar, seja S. Miguel".
Mostra-nos depois o nosso autor numerosas interpretares que têm sido dadas as letras do Cális.
"O Padre Malebranche, varão doutíssimo da Congregarão do Oratório de París, no seu livro de Álgebra mostra que das vinte e quatro letras do alfabeto se pode fazer um milhão trezentas noventa e uma mil setecentas e vinte e duas centenas de centenas de milhão, cento e duas mil e mais combinações
I 391. 721. 658. 311. 264. 960. 263. 919. 898. 102. 100*
"Na minha opinião, ninguém até agora soube quantas línguas há no Mundo; nem creio que daqui em diante se saberá o número delas, prin­cipalmente depois que, pelas notícias do Brasil, dadas a luz pelo padre Simão de Vasconcelos, da Companhia de Jesus, sabemos que só nas praias do rio das Amazonas se falam mais de cento e cinquenta diferen­tes linguagens, e essas (segundo afirma o padre António Vieira) tão diversas entre si como a nossa da grega. Com estas cento e cinquenta linguagens ajunta a nossa imaginado outras muitas centenas de línguas, espalhadas por todas as nações do Mundo, e com admiração perguntaremos qual é o fundamental e construtivo principio de tantas falas?
"Sim, em que oficina se lavraram tantas imagens e retratos do conceito, tantos liames de oração e sonoros vínculos do discurso? De que guarda-roupa saíram tantas alfaias da retórica, tantos enfeites e preciosos adornos da eloquência? Qual foi a mina das riquezas e qual foi o jardim das flores do hebraico, do grego e do latino idioma? A que ar­quitecto deve o italiano a traga das suas cortesãs e políticas expressões?
Qual Ninfa ou Musa inspirou ao francês a suavidade da sua locução? Qual foi o severo e duro guerreiro que armou na Germânia marciais e medonhos vocábulos? Que príncipe, que potentado entronizou em Portugal e Gástela os termos de uma grave e majestosa facúndia? Final­mente, que materiais tomaram os Chins, os Japóes, os Árabes, Turcos, Persas, Mogores, Armenios, Malabares, Chingalés, Malagates, Negros de África, gentíos de América e todas mais nações da progénie humana para a fábrica de termos significativos de suas práticas, negociações, comércios, ofícios, guerras, batalhas, artes, ciências, ritos, cerimónias, idolatrias e sacrifícios?
"Neste vastíssimo oceano literário de palavras emanadas de diferen­tes combinações literárias, entram como rios no mar outros inumeráveis vocábulos dos nomes das pessoas e sobrenomes ou apelidos das famílias, como também as vozes dos dialectos de todas as línguas, os quais são modos de falar da língua principal do reino ou estado, como na língua grega os dialectos Ato, Eólico, Dórico, Corintio e Comum ; na língua italiana o Genovés, o Bergamasso, o Veneziano, o Napolitano, o Siciliano, etc.; na língua francesa o falar Picardo, Gascáo, Provencal, Normando, etc., e em Portugal as palavras particulares e próprias da Beira, Minho, Alentejo e Algarve, etc., nestes e noutros inumeráveis dialectos formam as letras do alfabeto outra classe de vozes diversas daquelas línguas matrizes e todas juntas formam urna inefável variedade de vocábulos".
O nosso autor, depois de divagar, afastando-se do assunto, volta a ele e conclui que a significação das letras do Calis é esta: "Hic est Calix sanguinis mei, novi, et aeterni testamenti, qui pro vobis et pro multis effundetur Joakim Kludphik fudi, Bolduk A. Dom. Mil CLXXXVII».

Das pessoas sepultadas neste mosteiro, pode dizer-se que só pude colher informes interessantes sobre D. Pedro e D. Inês de Castro. Vamos tentar dar um resumo da história deste para tão celebrizado, e depois despedir-se-mos de Alcobaça

Contíguo ao transepto da igreja pertencente a este convento, existe um mausoléu gótico, em pedra talhada, ao centro do qual estão dois sepulcros magníficos, em mármore branco, contendo os restos mortais de D. Pedro I, rei de Portugal, e de D. Inês de Castro, sua mulher85.
A respectiva figura em tamanho natural, está colocada sobre cada sepultura: Ele, representado com longas barbas, aspecto severo e em atitude de desembainhar a espada. Ela, com um aspecto de tocante inocência, veste trajos reais e está adornada com um diadema.
Poucas são as figuras históricas mais celebradas pelos escritores dra­máticos do que esta princesa. Existem cinco tragédias inspiradas na sua infeliz historia: 2 em inglés86, 1 em francés87, 1 em espanhol88 e 1 em portugués89. A última é, por certo, a que mais se assemelha a verdadeira historia e não é inferior em mérito poético. O seu autor, Nicolau Luís, não precisou de recorrer a fantasia para emocionar o público90.
Os factos reais são suficientes para provocar a piedade e o terror e mostrar até que ponto o amor pode influir na alma humana.
O caso conta-se assim: D. Pedro, filho de D. Afonso IV, rei de Portugal, e herdeiro da coroa, apaixonou-se por urna dama da Corte, D. Inês de Castro, pensando que seria ela a adorável pessoa que poderia partilhar com ele a coroa que o esperava. Possuía ela todos os encantos de beleza e as maneiras mais graciosas e delicadas. O príncipe desprezando todos os preconceitos de nascimento e fortuna, foi casado com ela pelo bispo da Guarda.
Apesar de todo o segredo de que foi rodeada a celebrado do matrimónio, a noticia chegou aos ouvidos do rei, que já tinha premeditado casar D. Pedro com a filha do rei de Castela.
Quando D. Afonso quis certificar-se do que Ihe constava, D. Pedro conhecendo as intenções do pai, entendeu ser mais prudente ocultar-lhe a verdade.
A nobreza, conhecedora do casamento e invejando D. Inés, pela preferência que Ihe concederá D. Pedro, aproveitou todas as oportunida­des para a apresentar como uma mulher vulgar e ambiciosa pressagiando as mais funestas consequências a advir desta aliança. Condenaram também o príncipe, como filho desobediente e irreflectido.
O rei, homem de fraco entendimento, deu ouvidos a calúnia e deixou influenciar-se a tal ponto que resolveu assassinar a desditosa prin­cesa. No propósito de perpetrar tão horroroso gesto, fez-se acompanhar de três dos seus cortesãos e de um numeroso grupo de homens arma­dos.
Residia D. Inês, nessa época, em Coimbra, no palácio de Santa Clara, onde passava urna vida recolhida educando os filhos e cumprindo os seus deveres de esposa.
O príncipe infelizmente estava ausente, numa caçada, quando che­gou o rei e a sua comitiva. A encantadora vítima saiu ao seu encontro com os seus dois filhos, que se Lhe não desprendiam dos joelhos e choravam em altos gritos.
Ela prostrou-se aos pés do monarca e, banhada em lágrimas, pedia--Ihe misericórdia e piedade para os seus filhos, aceitando que a exilasse para o mais remoto deserto onde ela pudesse viver para a educação daquelas crianças.
O instinto da Natureza travou-lhe o braço já erguido para Ihe mergulhar o punhal no peito; mas os conselheiros não o deixaram fraquejar no seu intento, e censurando-lhe o desprezo pelos interesses da Nação e convencendo-o da necessidade da morte de D. Inês, fizeram-no voltar a sua primeira resolução, ordenando-lhes que a matassem. A esta ordem, sem atenderem as lágrimas da inocência e da formosura, mataram-na instantaneamente.
Pouco tempo após este episodio, chegou o príncipe, mas ai! encontram, já fechados pela morte, esses olhos que sempre o esperavam im­pacientes. O espectáculo da sua amada Inês banhada em sangue encheu-lhe a alma de desesperada loucura e acordou nela todos os sentimentos de vingança. Na angústia da sua dor, pedia a Deus, em altos gritos, que castigasse os monstros que Lhe haviam roubado quanto de mais caro tinha sobre a terra.
Logo que o corpo de Inês foi sepultado, chefiando um exército de homens que o apoiavam, atravessou as províncias mais próximas, destruindo a ferro e fogo os bens dos assassinos. As tropas reais não se Lhe puderam opor e fugiam em debandada perante os vingadores da inocência.
Só o rei, desgraçado homem!, não podia fugir de si próprio. Os gri­tos dos netos não deixavam de Lhe ecoar nos ouvidos, e a imagem ensanguentada da desditosa mãe apresentava-se-lhe constantemente diante dos olhos. Por fim apiedou-se dele a Morte. Expirou mergulhado no arrependimento dos seus crimes. Fora um filho desobediente, um mau irmão e um pai cruel.
D. Pedro subiu ao trono com 37 anos de idade. Logo que obteve o poder, o seu primeiro pensamento foi vingar a morte da sua adorada Inês. Os três principais assassinos, Pero Coelho, Lopes Pacheco e Álvaro Gonçalves, tinham fugido para Castela, antes ainda da morte do rei.O príncipe ordenou que fossem processados por alta traição e, tendo sido provada a culpabilidade, confiscou-lhes os bens. Depois conseguiu a sua captura, em virtude de acordo com o rei de Castela, em que ambos se comprometiam a fazer entrega de fugitivos portugueses e castelhanos que tivessem procurado asilo nos seus respectivos domínios. Gonçalves e Coelho foram algemados e enviados para Portugal, enquanto que Pacheco fugiu para França.

Encontrava-se o rei em Santarém, quando Lhe apresentaram os cri­minosos. Ordenou que preparassem um banquete e, junto do local onde este se deveria realizar, mandou acender urna fogueira. Quando os assassinos já agonizavam no meio das maiores torturas, e antes de serem lançados as chamas, foram-lhes arrancados os corações, a um pelo peito, e a outro pelas costas. Foram por fim lançados as chamas, que reduziram os seus corpos a cinzas, e foi perante este espectáculo que D. Pedro se banqueteou.
Apaziguada assim a sua sede de vingança, ordenou que por todo o reino fosse anunciado o seu casamento com D. Inés.
Foi retirado o seu corpo da sepultura, coberto com as vestes reais, e colocado num sumptuoso trono, em volta do qual se reuniram os mi­nistros rendendo homenagem a sua verdadeira rainha.
Depois desta cerimónia, fez-se a trasladação do corpo, de Coimbra para Alcobaça, com uma pompa até ai jamais vista no reino. A distância que separa estas duas terras é de 52 milhas e, no entanto, durante todo o trajecto a estrada foi ladeada de povo, empunhando tochas acesas. Ao funeral assistiram todos os nobres cavaleiros de Portugal, trajando luto, acompanhados pelas esposas, também de negro e com longos véus brancos.
A nuvem que esta tragédia trouxe ao espírito de D. Pedro nunca se dissipou totalmente, e como viveu sempre em celibato o resto da vida, nada o fez esquecer o destino da sua amada esposa. A impressão que a sua morte Ihe causou ficou bem caracterizada, não só pela tortura que infligiu aos seus assassinos, mas em todos os actos da sua administração. A sua severidade induziu alguns a cognominá-lo de Pedro, o Cruel. Outros cognominaram-no de Justo. E, vendo bem, parece ser este último o mais apropriado.
Temos, no entanto, de convir que castigava alguns erros com dema­siada severidade, principalmente os casos de adultério. Em todas as transgressões desta natureza as suas leis eram mais severas que as de Solón, como se pode verificar por estes exemplos: mandou enforcar um homem que tivera relações com uma mulher antes de casar com ela e um outro foi lançado á fogueira por ter sido apanhado em flagrante adultério com a sua amante. Também um frade que se descobriu ser o pai de um rapaz que ferira o homem que o adoptara, foi metido numa caixa de madeira e serrado ao meio.
O que mais surpreende é ter sido D. Pedro culpado do mesmo crime pelo qual sentenciava tão ignominiosas mortes como castigo. E é isto um facto: provam-no os seus amores com D. Teresa Lourenço, de quem teve um ilustre filho, D. João o fundador da Batalha.
No entanto, a sua forma de punir outros crimes era menos condenável. Por exemplo: um cavaleiro, tendo pedido emprestados alguns utensílios de prata recusou-se depois a entregá-los ao dono. Este, vendo que todos os meios de que dispunha eram ineficazes, apelou para o rei, que obrigou o cavaleiro a entregar tudo, ficando a responder pela vida do queixoso.
O clero, que até então só podia ser processado pelos tribunais eclesiás­ticos, passou a ser julgado pelos tribunais de Justiça e punidos os réus com a morte, quando os seus crimes fossem grandes. Tendo-lhe sido solicitada uma vez a revisão da sentença de um desses criminosos e a permissão de ser enviado a um tribunal superior (o do Papa), respondeu calmamente: "Sim, enviá-lo-ei ao mais alto de todos os tribunais, ao de Deus".
Para evitar litígios fastidiosos e suas funestas consequências, desembargou a Nação de advogados, limitando a sua acção de tal modo, que em poucos dias ficava resolvido um processo.
Quando o juiz era culpado de suborno, como uma vez aconteceu, mandava-o enforcar imediatamente.
Em resumo: a implacável justiça e o zelo infatigável em combater os vícios atingiram um tal ponto, que nem consideração por hierarquias, fortuna ou privilégios particulares defendiam o criminoso da espada da justiça. Os enormes serviços que prestou ao País durante 10 anos que reinou, deixaram um vínculo do espírito dos portugueses. Costumam até dizer: que “ D. Pedro ou nunca devia ter nascido ou não devia de ter morrido.”

2 comentários:

Fluzão Eterno disse...

Tenho um blog sobre curiosidades e gostaria de saber de você se haveria a possibilidade de você me ajudar
colocando o link do meu blog no seu e eu faria o mesmo com o seu,meu nome é Luciano e sou Bombeiro Militar
no Rio de Janeiro,
parabéns pelo trabalho que vem fazendo com seu blog e fico aguardadando sua resposta

Curiosidades
http://centraldascuriosidade.blogspot.com/

Tenho um blog também sobre bombeiros
Vida de bombeiro
http://www.heroisdavida.blogspot.com/

Mensagens e poemas:
Mensagens
http://centraldoamorvirtual.blogspot.com/

Meu time de coração,Fluminense:
Fluzão
http://fluzaoeterno.blogspot.com/

Visite os meus blogs e veja se pode me ajudar colocando o link de algum deles no seu,um abração

Caso tenha interesse entre em contato comigo pelo email lmturl@gmail.com,mandando mensagem em qualquer blog meu
ou pelo orkut http://www.orkut.com.br/Main#Profile?rl=ls&uid=5076013500225631247

Zé Povinho disse...

Li há 26 anos os textos de Murphy sobre os Mosteiros de Alcobaça e Batalha, tendo tentado perceber a ideia do autor em relação ao hipotético fecho das Capelas Imperfeitas.
Abraço do Zé