quinta-feira, março 22, 2007

SETE ANOS DE TERMAS PRESIDENCIAIS


“(...) em tudo, ponho exigências de qualidade, o que constitui uma marca visível” - Gonçalves Sapinho in Boletim Municipal, Agosto 2006.

Os que se interessam pela natureza e origem da actividade politica, encontrarão nela "o governo da polis" (cidade). E governar a "polis" não é tarefa que se deva cometer a qualquer um.
O politico deve possuir características e qualidades diferenciadoras - para melhor – nomeadamente (e antes de mais) pelo respeito pelas leis colectivas. Num país democrático, o político deverá ser exemplo de respeito pelas leis. Deverá ser até o garante da Lei. A sua autoridade moral, profissional e social deve ser exemplar.

No caso concreto que veio a lume no Jornal de Leiria, é denunciado o incumprimento da Lei por parte de vários Presidentes de Câmara. E, o incumprimento prende-se, precisamente, com a ocultação das declarações de rendimentos anuais, obrigação que nenhum deve ou pode desconhecer.

Na mesma notícia é referido que o Presidente da Câmara de Alcobaça, Dr. José Gonçalves Sapinho, desde 1998 apenas entregou ao Tribunal Constitucional duas declarações. Ora, este senhor, é jurista, vai no seu terceiro mandato como presidente de câmara e, ainda tem a «lata e a pouca vergonha» de afirmar que não entregou as declarações de rendimentos por ter mais que fazer - foi para as termas…

Mas, afinal, que políticos são estes que nos governam? Que honestidade demonstram homens destes? Pensam eles que vivem acima da lei?

Se um qualquer cidadão não entregar um documento (ex. declaração do IRS) no último dia do prazo porque o carro se acidentou ou porque teve de ir ao funeral dum amigo, é penalizado e não tem desculpas legítimas. Um presidente de câmara pode não entregar um documento dessa importância ao TC., durante anos a fio, dizendo que foi para as termas?! Isto é fazer troça dos cidadãos deste país.

Esta reflexão leva-me a uma outra, talvez a grande responsável pelo estado de impunidade destes senhores: como é que o Estado de Direito que estes políticos deviam servir (mas de que eles só se reclamam quando estão em jogo os seus interesses próprios) e cujas instituições devem fiscalizar o cumprimento das obrigações dos políticos, deixam que situações destas aconteçam? Em nove anos, o Dr. Sapinho apresentou duas declarações de rendimentos e fica tudo bem?

Que país é este em que todos os dias se denunciam irregularidades e ilegalidades cometidas por políticos e, apesar de sabermos que as prisões estão cheias de gente, e haver tanta denúncia grave, não se vê lá um único político ou administrador do Estado, mesmo o mais fraudulento? A política estará a tornar numa escola de mafiosos?

São exemplos como este que provocam o descrédito na classe política, afastando jovens e todas as pessoas generosas, sérias e de bem, classe essa que atrai apenas oportunistas e carreiristas ou politiqueiros com vocação para a manipulação dos cidadãos, para a fraude e para a corrupção.


Ps. todo o comentário bem disposto e elevado é bem vindo.

43 comentários:

lucia duarte disse...

é exactamente o ar de impunidade que se respira nas declarações proferidas pelo sapinho.
o facto de ser jurista não me diz nada. no curriculum dele nem diz se exerceu (e durante quanto tempo) a profissão, nem a taxa de exito em intervenções juridicas, nem se tirou o curso num vão de escada...
é natural que, depois de ter tido tanto trabalho a não fazer nada (ou melhor, a fazer porcaria) ele necessite de ir descansar para as termas.
o que eu gostava era que ele tivesse coragem de se demitir e ir para as termas de vez, mas não tenho essa sorte!...
ontem também não o vi (nem a ninguém do pelouro da cultura) a assistir ao espectáculo (aliás fabuloso) das SA Marionetes. porquê? não sabe que é cultura ou também estava nas termas?
e no lançamento do livro de Pedro e Inês para as crianças? também estava nas termas?
já não tem lata para se banhar em S. Martinho?
e não teve tempo de entregar a um contabilista os documentos para o TC?
em Alcobaça está tudo cego, ou eu sou uma visionária?

Ludovicus Rex disse...

Pode crer meu Amigo é preciso ter lata e a pouca vergonha...
A política com casos deste e outros mais só cai em descrédito.
Pode ser que ao exercermos a nossa cidadania na denúcia de tais factos possa ajudar a "melhorar o estado das coisas" (como dizia a velhota no jingle a Antena 1.
Um Abraço

Anónimo disse...

De facto, é escandaloso que os eleitos se comportem dessa maneira quando deviam dar o exemplo de legalidade. Que crédito podemos atribuir a um autarca que falta aos seus deveres básicos no que toca legalidade? Isto dá força ao povoléu que tem tendência para dizer que «são todos uns ladrões». Porque é que o Senhor Presidente tem medo de declarar os seus rendimentos ao Tribunal Constitucional? Lá fez das boas… e deviam ter sido muitas, desde estes anos todos… Como é possível haver tanta fraude e tanta ilegalidade sem que o Ministério da Justiça (a Polícia, o Ministério Publico ou seja quem for com legitimidade) actue? Estes eleitos não merecem credibilidade nenhuma. Só nos resta desmascará-los e envergonhá-los quando passarem na rua, para ver se deixam de gozar com os contribuintes cumpridores e com a gente honesta do concelho.

Jorge Casal

Bárbara Tomás disse...

É verdade.
Com efeito, muitas pessoas referem hoje os escândalos que são cometidos por aqueles que à sombra da capa da democracia popular se servem a si próprios pelo poder, ao invés de servirem os desígnios públicos para que foram eleitos.
Pessoas destas constituem a vergonha da democracia e um verdadeiro atentado à memória daqueles que deram a vida para derrubar a ditadura. Para dizer a verdade, não quero acreditar que o Presidente da Câmara Municipal de Alcobaça tenha o "rabo tão preso".
Que raio de partido político é o que ele representa que fica impávido e sereno "à sopmbra da bananeira criadora de acontecimentos cada um mais grave do que o outro"? Não lhes chegava já o Alberto João?!
Já que os partidos políticos, todos eles, não cumprem o seu dever, então terá que ser o povo a desmascarar estes senhores e correr com eles...ESTA É A LUTA PELA DEMOCRACIA.

Anónimo disse...

" To whom it may concern

Bem o curso de direito foi acabado depois do 25 de Abril na altura em que valia tudo, até colegas meus passaram de ano sem nunca porem os pés na Universidade.

Já aí o rapaz mostrava os seus dotes de oportunista e aproveitando a onda, auto promoveu-se a Dr.

Ter tido algum serviço relevante na área da Advocacia??, que o digam alguns incautos da Benedita que ficaram com os bolsos despejados e com maus serviços prestados.
Era conhecido pelos pares como muito fraco.

Vejam com quem ele se rodeia. Só bobis mais nada

Percam tempo a ler o boletim de candidatura do tipo, vejam o que ele apresenta como relevante para a sua candidatura.

É só presidências mas nada de funções executivas, nada!!!! que essas dão responsabilidades e é preciso trabalhar e apresentar trabalho. Nisso não cai ele.

Presidente da Assembleia geral disto e daquilo , isso não vale nada, qualquer nabo com promoção a Dr. ou não, faz essa tarefa de olhos fechados.

Ter sido oficial na tropa, até dá vontade rir, foi aí que ele aprendeu a arte de sobreviver á custa do trabalho dos outros.

Único "trabalho" a sério mas que ele não cumpre foi o de Presidente de Câmara, não por mérito próprio claro, mas por ter sido empurrado.

Já agora, o tipo não divulgou os dinheiros e outras coisas ,porque os proventos, possivelmente, serão muito grandes (quem sabe?...) e, se assim fosse, cairia a sua mascara passando de Servidor da causa pública como ele gosta de salientar, a Sugador desavergonhado do nosso dinheiro.

A impunidade de todos os figurões que conseguem safar-se assim parece ser total. Até parece que eles fazem o que querem. Será que enganam, roubam o nosso dinheiro, mentem , aldrabam o incauto do cidadão ??

Será que é mesmo assim?! Não quero crer nisso.

Savonarola disse...

Caro António Delgado,

É com grande prazer que venho aqui visitá-lo. Ora aqui está uma denúncia importantíssima do que autarcas e outros políticos andam a fazer nas costas do povo! Não apresentar a declaração de rendimentos é claro indício de corrupção e fuga aos impostos, para não falar do ilegal imcumprimento das obrigações perante o Estado. Trata-se de uma situação infelizmente comum nos nossos dias, em que a impunidade se tornou habitual para a classe política. Onde e quando e como é que este estado de coisas irá parar?

Um abraço amigo

P.S. Convido-o a visitar-me n'O Anarquista.

ORTOGAL disse...

E Alcobaça?

- O que se passa com a acumulação de vencimentos de vereadores na CMA e SMAS?

- Que empresas municipais estão em vista para alcobaça?

- Como estamos de "suplementos remuneratórios e outros extras" para autarcas, designadamente decorrentes das participações da CMA nas seguintes organizações: 1. AMO; 2. Águas do Oeste; 3. Resioeste; 4. ComUrb do Oeste; 5. Municipia;

- O que pensará o Dr. Rasquilho disto?

(em relação à pergunta ao Dr. Rasquilho, mesmo que ele a não dê agora, ele pode ficar descansado pois se vier a ser "convidado" pelo PS para cabeça de lista do partido as próximas autárquicas, ele vai ter de responder, a esta a a outras, se quiser o meu voto). Isso de não se saber nada sobre o que pensam os candidatos às câmaras dos assuntos importantes que afectam a vida de todos TEM DE ACABAR DE UMA VEZ POR TODAS. Se querem o meu voto vão ter de explicar muito bem o que querem e pensam para e sobre o Concelho que vão "servir". Caso contrário BARDAMERDA para eles! Diria mesmo mais: PUTA QUE OS PARIU! E desculpe-me o Dr. Rasquilho, mas nestas circunstâncias interessava-me mais ler coisas suas sobre política local do que sobre História de Portugal do tempo da D. Maria I. Vamos lá, encha-se de coragem e deite cá para fora alguma coisa de contemporâneo...

Ass: Valdemar Rodrigues


Notícia de hoje, 24-3-07 no CM===================================

Auditoria revela descontrole
Milionários em empresas municipais







João Cortesão

Os gestores municipais são nomeados sem critério, não fazem declaração de rendimentos e, em muitos casos, recebem muito mais do que o permitido por lei. Para além disso, beneficiam de regalias, como cartões de crédito e telecomunicações, sem que tal esteja previsto na lei.



Estas são algumas das conclusões de uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas (TC) aos vencimentos e remunerações acessórias dos administradores (relativos ao ano de 2004) de 31 empresas municipais de todo o País.

Muitos destes gestores estão em empresas criadas por municípios totalmente endividados. É o caso, por exemplo, da Câmara de Lisboa, que segundo a Direcção-Geral das Autarquias Locais (DGAL) possui um grau de endividamento de 362 por cento, a autarquia do Porto está endividada em 154 por cento e Vila Nova de Gaia (151 por cento) ou Loures tem 131 por cento de endividamento.

De acordo com o documento, das 31 empresas analisadas, 14 pagam valores superiores, em alguns casos 40 por cento a mais, aos fixados na lei, quer no que diz respeito aos vencimentos base quer a despesas de representação. Em nove casos, os auditores detectaram que membros dos conselhos de administração receberam remunerações respeitantes ao cargo exercido em acumulação que excedem em 75 por cento o vencimento do Presidente da República, que em 2206 foi fixado em 7155 euros (incluindo despesas de representação).

Mas o TC também foi surpreendido por gestores que nada recebem pelos cargos que desempenham: os administradores da Vila Real Social, FozCoaInvest e Sistema Automático de Transporte Urbano – Oeiras não receberam qualquer remuneração em 2004.

Os valores pagos nada da têm que ver com os resultados obtidos à frente das empresas. Na verdade, mais de metade das empresas auditadas apresenta resultados operacionais (e líquidos) negativos. Em dois casos, o próprio capital “passou a apresentar valores negativos dos quais resultou a perda da totalidade do capital social”, lê-se no documento.

Quanto às regalias acessórias, o TC detectou nove empresas que atribuíram aos seus gestores viaturas para uso pessoal ou indiferenciado, ao arrepio da lei. Há ainda casos de atribuição de prémios de produtividade, de seguros de saúde e até senhas de presença, mas em número não expressivo.

Deste retrato do TC sobressai a Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), não só pelos seus avultados ordenados e demais regalias dos seus administradores e vogais mas também porque o próprio conselho de administração tem mais dois elementos do que o legalmente previsto: em vez de três, são cinco.

No âmbito do contraditório, alguns conselhos de administração alegaram inconstitucionalidade – ao arrepio da reserva da lei da Assembleia da República – e violação do Princípio da Autonomia Local, alegações que não foram reconhecidas pelo TC, que manteve as suas conclusões.

TRIBUNAL NÃO ACEITA DEFESA

No âmbito do contraditório, alguns conselhos de administração alegaram inconstitucionalidade – ao arrepio da reserva da lei da Assembleia da República – e violação do Princípio da Autonomia Local, alegações que não foram reconhecidas pelo organismo presidido por Guilherme d’Oliveira Martins, que manteve as suas conclusões.

A actividade do conjunto das empresas analisadas vai desde a produção de electricidade à habitação e gestão de obras públicas, até à administração de equipamentos culturais. Foram seleccionadas tendo em conta o seu activo líquido e as áreas de actuação dos centros de desenvolvimento regional, onde se inserem.

RECOMENDAÇÕES

AO GOVERNO

Promover legislação que defina com clareza o modelo de estatuto remuneratório do gestor público das empresas municipais, regulando expressamente em particular os critérios de recrutamento, vinculação e níveis remuneratórios.

ÀS CÂMARAS

Exercer com mais rigor e eficácia a fiscalização da evolução económico-financeira das empresas por si criadas, respeitar os limites remuneratórios legalmente impostos e reforçar a vigilância na utilização dos cartões de crédito.

ÀS EMPRESAS

Devem cessar de imediato o pagamento de subsídios de alimentação, determinar que as viaturas sejam usadas exclusivamente ao serviço das empresas e documentar as despesas com os cartões de crédito.

ATRIBUIÇÃO INDEVIDA DE EXTRAS

O quadro legal não permite a retribuição de gestores municipais, a título principal ou acessório, através da atribuição da utilização de cartão de crédito, viaturas ou telemóveis. No entanto, o Tribunal de Contas detectou que nove empresas atribuíram viaturas para uso pessoal ou indiferenciado, em duas foram abonados cartões de crédito e em 11 foi autorizado o pagamento de despesas de telefone móvel.

As empresas municipais, na sua esmagadora maioria, alegam que quer telemóveis quer os automóveis se destinam à utilização profissional e os cartões de crédito a pagar despesas. No entanto, não explicam porque precisam de viaturas de valor tão elevado.

Quanto aos cartões de crédito, de acordo com o Tribunal de Contas, “nas respostas aos questionários remetidos, no âmbito do pedido de informações sobre as remunerações auferidas” foram as próprias empresas que incluíram as despesas efectuadas com cartões de crédito.

Ludovicus Rex disse...

جيد عطلة نهاية الاسبوع

Anónimo disse...

Mas afinal o Dr. Rui Rasquilho quer ser convidado pelo Partido Socialista para candidato a Presidente da Câmara Municipal?
Essa é muito interessante...
É que ele alardoou aos sete ventos que não queria nada com a política. Também está certo... Ele, afinal, é também um político e, para estes "o que é verdade hoje, amanhã já é mentita."
O partido socialista está mesmo bem governado... Por este andar o Sapinho morre de pé na cadeira do poder. Sim, porque alguém acredita que um gajo que se mascara de padre para receber ministros tem competência para o substituir?
Para palhaços já basta os que lá estão....

ORTOGAL disse...

Bom fim-de-semana também para o ludovicus.

Antonio Delgado disse...

نهاية أسبوع جيّدة إلى ال [لودو] و [ألّ ث] [بوستدورس]

XRéis disse...

O problema maior rerside no facto dessas pessoas serem representantes legais dos eleitores, ...tantas ilegalidades... para tamanha legalidade.
obrigado por ter aprovado e visitado o Alentejo & Sapiensia

lucia duarte disse...

há aqui qualquer equivoco! nunca ouvi, da boca do dr rasquilho disponibilidade para se candidatar.
não acredito que ele se queira queimar ao tomar conta de uma cãmara tão mal gerida durante anos. o que o ortogal disse foi que, se tal viesse a acontecer...e eu, muito sinceramente, não acredito que ele vá nessa. é uma pessoa que admiro profissionalmente e não me parece "tão tonto assim...". mas, se ele se candidatar, eu estarei na linha da frente para o apoiar - são convicções!

Anónimo disse...

Quem escreveu esta obra de arte está bem informado. De facto o JORNAL DE LEIRIA dá conta das irregularidades do Dr. Sapinho, mas na peça em causa as declarações de "..tenho mais que fazer...ou fui para as termas" não estão lá. Estão sim, no Região de Cister, peça que está assinada pelo jornailista, mas que no JORNAL DE LEIRIA não está. Quem tenta adivinhar porquê. O blogger é um homem atento

lucia duarte disse...

mais uma vez o dr sapinho esteve ausente em eventos culturais.
as sa marionetas assinalaram o seu 10º aniversário com um belissimo espectaculo e onde estava o sapinho? nas termas? e a dra alcina? bom não deve ter ido também para as termas, pois não?
e na abertura da sala dos reis ao belissimo painel de azulejaria romana? o dr sapinho, estava cansado demais? esqueceu-se ou teve medo de prometer a réplica como fez na sessão de assinatura de protocolo com o ippar e com o mosteiro?

Antonio Delgado disse...

Olá Lucia,
Provavelmente o Dr. Sapinho esteve ausente por estar a preencher as declarações de rendimentos que já devia ter apresentado ao TC há muito tempo. E a vereadora talvez o estivesse a secretariar.
No caso do painel estou em desacordo consigo porque esse painel já existe há tanto tempo que foi necessário estar exposto em Lisboa, no museu de arqueologia, para que o director do mosteiro o visse e que ele lhe poderia ser útil em Alcobaça…
Será que foi por acaso?! Oh Lúcia, não seja tão inocente…
Sobre a réplica parece-me que desta vez o sapinho foi mais sensato do que o director do mosteiro porque provavelmente ele também não gostava de uma réplica (cópia) dos túmulos de Pedro e Inês por tudo quanto é sítio… No mínimo isso é banalizar o património e a arte.
Parece-me que os alcobacenses têm que estar um bocadinho mais atentos a certas manipulações.
Olhe que, infelizmente, nem tudo o que luz é ouro….

CIDADÃO ATENTO disse...

Andais desatentos mais uma vez.

O Dr. Sapinho esteve lá, tal como o Director do IPPAR, tal como inúmeras pessoas, só que a cerimónia oficial realizou-se ao 12h30 e não às 18h30.

Caro António, estais a insinuar algo sobre os intentos do Director do Mosteiro?! Demonstrais assim algo sobre os vossos intentos futuros!?

Antonio Delgado disse...

OLA Lúcia,
Aqui vão algumas adendas ao seu comentário. Infelizmente não tem havido mais tempo para complementar as observações que aqui se vão deixando pelos amigos que frequentam este blog. Tenho agora um momento de ferias da Páscoa para retomar este contacto mais directo com todos aqueles que deixam as suas impressões. Sobre o Sapinho e Compª. Obviamente, até ser provado o contrario, este cavalheiro, como aqueles que o coadjuvam, faz parte dessa santa ignorância que governa o país a qual uma boa parte de portugueses tanto adora, como também se tem verificado em Alcobaça. Falam, falam, falam mas… na hora da verdade o sapinho é que é bom. Quanto ao CV dele já aqui me manifestei sobre ele e volto a manifestara NÃO ME DIZ RIGOROSAMENTE NADA. Pode impressionar certas pessoas mas a mim NADA.

Antonio Delgado disse...

Estimado Ludovicus,
Sobre esta sua última afirmação acredito que o povo português algum dia acorde. Quanto à lata e pouca vergonha ela de facto é muito grande e, se ambas fossem sinónimas de música não tenho dúvidas que Alcobaça teria o estatuto de Viena e tudo estaria resolvido.

Antonio Delgado disse...

Oh Jorge, tens toda a razão mas infelizmente este povo é disto que gosta. Do político que não é sério e que cumpre com as suas obrigações, porque este mesmo politico representa um tipo de mentalidade característico de quem vota nele. Por isso a politica para um certo tipo de pessoas é sinónimo de enganar, de ser embusteiro, não cumpridor e fugir aos deveres para com o Estado. Ser o típico desenrascado que vive na corda bamba até um dia…só que em Portugal parece que não há dias.
Um abraço

Antonio Delgado disse...

Caro anónimo
Houve um momento, entre os anos 78 e 84 que, em Portugal, muitas empresas não aceitavam pessoas que se tivessem licenciado durante os três primeiros anos seguintes ao 25 de Abril, devido à anarquia reinante no ensino superior. E, muitos cursos foram feitos por passagens administrativas, um escândalo que ninguém investiga e é proporcional na actualidade aos cursos comprados nas universidades privadas… mas que ninguém quer lembrar. São algumas pessoas formadas neste facilitismo universitário que vêm depois falar de investigação, formação e qualificação. Talvez a falta de declarações possa ajudar a entender a sua formação e a falta de declaração de rendimentos parece ser uma em nítida fuga ao fisco reiterada, são sete anos. Eu desconfio de pessoas assim, não declarou por doença, por impossibilidade física mas porque foi para os temas, como afirmou… se tivesse necessidade de um advogado obviamente que não era ao dr. Sapinho quem eu procurava.

Antonio Delgado disse...

Olá amigo Savanarola,
É sempre com imenso prazer e jubilo que o blog ecos e comentários recebe uma postagem sua. E sobre o tema que nos reúne, de facto é preciso não ter lata para não apresentar as declarações de rendimentos, como revela o jornal de Leiria e o Semanário Região de Cister. Aquele senhor que é para todos os efeitos advogado…
Juntos e unidos poderemos ter mais força para denunciar esta e outras situações.
Cordialmente
Antonio

Antonio Delgado disse...

Meu caro,
Já não sei como chamar-te, se Valdemar ou Ortogal. Sobre o teu comentário: É muito pertinente a questão que apontas até para bem dos próprios Alcobacenses que penso iriam sentir-se defraudados com a atitude do Sapinho…
A acumulação dos vencimentos deve de ser inquirida pelos actuais “políticos profissionais”. São eles que devem de investigar e denunciar se querem ter alguma credibilidade. A segunda questão também é muito pertinente e já fiz alguma referência a ela numa postagem do ano passado “ TUDO BOA RAPAZIADA” onde fui atacado, imagine-se… por gente do PS, um partido que ninguém sabe qual é o seu lugar na cena politica de Alcobaça. Se é que tem algum papel, com a actual comissão politica!... Mas, as entidades competentes deveriam de averiguar, caso houvesse justiça, e alguns Alcobacenses com responsabilidades não brincariam aos munícipies ou outras coisas.
Sobre Rui Rasquilho..sinceramente não sei se ele tem algum pensamento sobre o que referes ou os problemas que afectam o concelho. Como também não sei se ele se quer aventurar na politica. E digo isto porque ele expressou num jornal qualquer, e cito de memória “ que não se queria introduzir-se na politica” …mas em politica mentir é o verdadeiro estado natural do homos politicus. Uma coisa é certa ele apoiou e votou na actual direcção da comissão politica do PS. Porque as pessoas que formam este grupo pensam que são clarividentes, experientes, que sabem de politica e são intelectualmente bem formadas quando afinal o que eles são imaturos, inexperientes politicamente, academicamente e socialmente. Em duas palavras, juventude com vontade de afirmação ou incontinência juvenil apoiada pelo Dr. Rasquilho… É mistério para mim a razão porque este senhor anda metido no meio desta gente…
Quanto às escrituras de facto é notório existir uma bula especial na imprensa da terra em relação ao sr. Rasquilho. Escrevem e descrevem páginas inteiras com o nome dele e as suas acções. De facto só numa terra carente de notícias por não terem mais nada para se dizer é que se faz tanta cobertura a uma personagem. Sociologicamente é interessante verificar a atenção que se dá à esterilidade e à falta de ideias e o grave é que isto é natural. Os jornais locais sempre foram parte da razão pela qual Alcobaça e a região estão num vazio sem sentido.
E depois é fácil falar do passado vezeiro folclórico carente de investigação baseado quase na oralidade porque serve as necessidades comunicacionais de certa população de Alcobaça… Transcrevo o seu o nível académico percentual “Em 2001, no concelho de Alcobaça, 14% da população não possuía qualquer nível de escolaridade e 39% possuía apenas o 1º ciclo, o que totaliza 53% da população. Apenas 13% possuía o ensino secundário e 7% tinha formação superior”. Por isto não admira que discursos travestis possam fazer enormes carreiras e terem grande aceitação.
Um abraço.

Antonio Delgado disse...

Caro anónimo.
Não sei de alardoou mas que disse e está escrito está. E sobre o partido Socialista sei que ele votou na actual lista da comissão politica que é governada por quem venceu e é bom até que esteja lá. Quanto sei ele não se mascarou de padre! Vestiu-se foi de frade para receber a ministra e tem-se vestido de outras coisas. O Carnaval é dele e Alcobaça é um carnaval continuo. Tal como o Pais. Não imagino o Dr. Luis Raposo, director do Museu Nacional de Arqueologia, vestido de neanderthal e com uma moca às costas para receber o Presidente da Republica ou qualquer outra figura de estado…no mínimo ridículo. Em Lisboa o que lhe chamaria era atrasado mental. Mas já falei disso neste blog e no blog Faldas da Serra.

Antonio Delgado disse...

Pois sim XREIS, esse é o grande problema. E o Alentejo é sapiensia e um espaço que muito prezo.
Cordialmente
António

Antonio Delgado disse...

Caro Anónimo,
Bem, obra de arte não será mas é uma forma de pensar de muitas pessoas de Alcobaça. E, não só de Alcobaça como já me manifestaram. Sobre estar informado diria mais que estou atento às movimentações que se fazem na nossa terra.

Antonio Delgado disse...

Olá Bárbara,
Gostei muito da tua postagem porque é muito objectiva mas, a verdade é que aquele partido político, de qual o actual presidente da câmara é militante, cada vez nos surpreende mais com esta impunidade...
Quem nos dera que os políticos cumprissem a sua missão de serviço público...Ao contrário disso, com estes exemplos indignos, andam a sobressaltar o povo cumoridor, trabalhador e obediente que espera deles rigor e exemplo.
Infelizmente há muitos Albertos Joões escondidos....

Antonio Delgado disse...

Caro Cidadão Atento,
É livre de interpretar aquilo que quiser na leitura dos textos que escrevo. A criatividade é livre e cada um sintoniza-a segundo a sua própria sensibilidade.

Quanto ao Sapinho não estive lá nem ando junto a ele nem de pessoas que o bajulam pela frente e mordem-no por detrás. Infelizmente é o que há mais em Alcobaça são pessoas desse tipo…Bajularem o sapinho e outras pessoas.

cidadão atento disse...

Caro António Delgado,

Se algo tendes é frontalidade, pelo menos em termos virtuais, pois só nestas andanças o oiço falar.

Muitas das vezes falais bem, outras parece-me que na vossa escrita se toldais pela ira, a maioria das vezes ao pseudo presidente de câmara (mal fadada sorte esse concelho têm), outras ao PS local que julgais pela não concordância, pelo que vou lendo e ouvindo,aqui e ali, o facto é que existe.

Cumprimentos

Joaquim disse...

É engraçado ler-vos porque já me tinha soado que o director do mosteiro anda a trabalhar para ser próximo candidato do PS à Câmara Municipal. E soou-me mais ainda e muito pior. Que o César se prepara também para ser candidato. Isto é que vai por aqui uma trupe!
O António que também é do PS não consegue por juizo na cabeça daquela gente? É que por este andar temos que continuar a gramar o Sapinho ou pior ainda o Miné porque com estas personagens não estou a ver o PSD ser destronado.
Mas faz sentido essa do Rasquilho porque ele não se cansa de fazer charme em todas as direcções, Será que o homem quer mesmo ser presidente da câmara?
Esse eu conheço desde criança e sempre gostou de liderar e dar nas vistas. Sempre foi espalhafatoso demais para o meu gosto e agora parece que arrebanhou os amigos fieis todos para uma associação do mosteiro. Pelo menos assim eles fazem tudo o que ele quizer...Igual ao Sapo que também se rodeia de fieis caninos para não ter oposição.
Esta terra vai de mal a pior.

lucia duarte disse...

caro joaquim.
não me compete defender o rasquilho de forma alguma.
compará-lo ao sapinho é que me parece demais. ele pode ser espalhafatoso, ter tendencia para ser um bom lider, etc, mas, em termos de trabalho não se comparam: um abre o mosteiro e atrai turistas, o outro, torna a entrada do mosteiro num deserto de areia.
um tem um curriculum de trabalho, o outro tem um curriculum de presidencias.
e tal como já disse acima, nunca ouvi o rasquilho dizer que quer ser candidato, muito pelo contrário, embora sejamos muitos a achar que ele, nesta altura, seria a melhor opção para derrubar o sapinho.
quanto ao césar, bem, esse já anda á cata de poleiro há muito tempo.
e, já agora, o rasquilho não está rodeado de servidores fieis. está rodeado de pessoas que, ao contrário de muitos que só criticam e não fazem, querem fazer mais para puxar o turismo e ajudar a divulgar a cultura da nossa terra.
esclareci? decerto não convenci, nem era esse o meu propósito, nem sou advogada de ninguém, mas gosto de ver as coisas bem esclarecidas.
um abraço

lucia duarte disse...

parece que não me fiz entender mais uma vez: o sapinho esteve na reunião com o presidente do extinto ippar e prometeu a réplica.
o que eu quis dizer é que ele perdeu a vontade de se mostrar perante o publico (aquele que antes o apoiava) e fazer as promessas frente a eles.
aliás, se restarem dúvidas sobre o assunto é lerem o proximo alcoa

Antonio Delgado disse...

Ao Cidadão Atento,
Pode ter a certeza que a minha frontalidade, aqui e noutros lugares, é sempre a mesma. Não pense que sou pessoa para andar atrás de alguém a lamber ou engraxar quando preciso de alguma coisa. Aquilo que me parece pouco correcto digo-o e afirmo-o. Quanto à escrita ela é uma forma de expressão e, como sabe, também é uma técnica e, como tal, uso e “abuso” dela para me expressar …Se para si, aquilo que escrevo lhe parece que vai impregnado de ira, não tenho nada que ver com a recriação que faz daquilo que a sua sensibilidade pode extrair dos meus textos…a
A interpretação é um direito e uma a liberdade que lhe assiste e que muito prezo que assim seja.
Sobre o pseudo presidente, para mim ele é efectivamente o presidente democraticamente eleito pelos Alcobacenses. Mas se me perguntar sobre a pratica da função inerente ao cargo dele levantam-se todas as minhas duvidas sobretudo em relação à pessoa. Ele, além de pseudo presidente como o designa, é para mim um amador e naif para não dizer pessoa nada esclarecida. Mas é sobretudo um rústico, sem propósitos, além de que quando se expressa verbalmente utiliza ainda um léxico limitado, por vezes muito grosseiro, que me parece estranho NUM EDIL, que além do mais é formado em direito, estudou num seminário, foi professor primário, fez ou faz parte de associações católicas e segundo se diz foi parlamentar (não digo PARA LAMENTAR). Já li várias vezes nos jornais que há munícipes que lhe escrevem e ele não responde, outros que não atende, não ouve as populações, infringe a lei como frisaram os jornais de Leira e o Região de Cister… quererá que o tratem por SIR ou LORDE SAPINHO, com estas credenciais???
Quanto ao PS. Não tenho nada contra este partido, até porque sou militante tendo começado a minha militância fora de Portugal em Barcelona. Estou é contra a forma como ele é e tem sido governado em Alcobaça, por pessoas cujos desígnios são obscuros e que na essência parece que não amam a sua terra...acho que não é preciso ter muita perspicácia visual e intelectual para perceber isso.
“ (...) pelo que vou lendo e ouvindo, aqui e ali, o facto é que existe”. Esta sua expressão é mais do que elucidativa para retratar o PS de Alcobaça.
Cordialmente
António Delgado

Antonio Delgado disse...

Caro Joaquim,
Não posso afirmar nada disso porque sempre andei e ando muito afastado das lides politicas. Mas também já me constou essa “rumorologia” que apontas e alguns blogs da terra, de vez em quando, abordam essa questão como o próprio Ortogal fez nesta postagem. É bom estar distante e, ao mesmo tempo, fora desse ruído, para melhor entender as encenações que vão surgindo em Alcobaça.
Sobre o tal César de que falas não sei se é um tal que se identificou e escreveu neste blog coisas nada elegantes, e ofensivas do bom-nome de quem comenta neste espaço. Facto que, por si, mostra o tipo de pessoa que é, além de demonstrar uma enorme falta de polimento e educação...mas, como estamos em Alcobaça, na era da politica e dos políticos rústicos, o personagem está bem proporcionado com a realidade local. Poderás ver aquilo a que me refiro nas postagens “Memórias Socialistas” e “Tudo Boa Rapaziada” feitas em 2006. Se, como dizes, ele quer ser o candidato do PS, pois que seja, não há nada a comentar. Alcobaça tem, nesse caso, uma excelente oportunidade para registar uma original patente ao RIDÍCULO que é o que ele parece representar. Não tenho a menor dúvida de que se o PS continuar a brincar aos meninos políticos o PSD tem, uma vez mais, a possibilidade de ganhar, com pompa e circunstância, arrebanhando, talvez, o único vereador socialista eleito.

Antonio Delgado disse...

Lúcia,
Desculpe-me discordar da sua opinião
1º. O Rui Rasquilho não abre o mosteiro à população porque o mosteiro sempre esteve e está aberto. Talvez não saiba mas muitas iniciativas (exposições palestras espectáculos e conferencias além de jantares) fizeram-se antes da era rasquilhiana. São fenómenos como a pastelarização, a tasquinização, jantares ou outro tipo de encontros popularuchos que abrem a época Rasquilho. O que se está a fazer, e na minha perspectiva muito mal, é a disneilandizar o mosterior e a dar-lhe um com carácter de feira. É uma má interpretação das recomendações feitas pelo “estudo” económico de Hernâni Lopes. E designar aquele tipo de programação como o mosteiro estar “aberto à população” é um optimismo do qual não partilho de modo nenhum. O mosteiro deveria ser um pólo de cultura erudita em todas as suas áreas, musica, exposições, teatro e outro tipo de eventos que atraíssem essa banda de pessoas. O tipo de abertura que refere acaba por alimentar o espírito folclórico e atávico que já existe na terra e que os anteriores presidentes de câmara cultivavam sem grande resultados só que agora passou para dentro do mosteiro. E este tipo de folclore é do agrado da mística local... Portanto há aqui um enorme equívoco de conceitos que se devia esclarecer, não aqui no blog mas nos jornais locais e na rádio...mas será que é isso que a inteligência local quer?
2º. O Rui Rasquilho não tem capacidade de atrair turistas, porque as politicas culturais não o permitem e porque em si não é nenhum fenómeno museológico nem nenhum monumento. Depois as pessoas que vêm visitar o mosteiro são em termos absolutos as mesmas. Porque os estrangeiros que visitam Portugal compram pacotes turísticos, onde a visita ao Mosteiro, não a Alcobaça, é preciso que se note, está incluída. Ele pode atrair de facto pessoas como naquele espectáculo de rua que proporcionou a alguns, para comemorar a visita da Rainha a Alcobaça no sec. XVIII travestido de embaixador. Ou vestido de monge noutras ocasiões. Na minha perspectiva Alcobaça precisa desse tipo de espectáculo de rua que é muito comum em quase todas as capitais europeias e muito em particular nas ramblas de Barcelona. Daí dar os parabéns ao director do mosteiro por tão inovadora iniciativa e semelhante altruísmo por Alcobaça...CHAPEAU.
Na minha perspectiva seria melhor sobre o ponto de vista turístico, económico, social mas sobretudo cultural que Alcobaça fosse visitada não pelo mosteiro mas por outros fenómenos que nada tivessem a ver com ele. E é precisamente neste ponto onde reside o grande “imbróglio” em que Alcobaça está metida e parece que ninguém, sobretudo o actual elenco camarário, sabe ou quer reflectir...

Antonio Delgado disse...

Oh Lúcia,
Está a aguçar-me o apetite para ler o Alcoa... Sobre o Sapinho acha que não cumprir as obrigações legais abonam a favor dele?

cidadão atento disse...

Caro António Delgado,

Concordo na plenitude sobre vossas observações ao Dr. Sapinho, quando me referia a ele como "pseudo" Presidente, era exactamente na mesma optica.

Como é obvio e afirmais "Quanto à escrita ela é uma forma de expressão e, como sabe, também é uma técnica e, como tal, uso e “abuso” dela para me expressar …" e "A interpretação é um direito e uma a liberdade que lhe assiste e que muito prezo que assim seja." estais correcto, no meu sentido de analisar vossas interpretações sobre ambas.

Meus comentários, recaem sobre o que julgo ser uma linguagem "excessiva", não sobre a intenção que quereis dar de vossas às considerações, bem como, os "ditos" julgamentos públicos feitos às mais variadas pessoas. Se tendes razão? se estais na plenitude dos factos? isso não saberei "julgar", nem sequer me atreveria, não é da minha personalidade. Em casos e situações dessa índole, gosto muito de ouvir e aferir para poder pronunciar-me, vicitudes e hábitos de profissão.

Vossos posts, deixa em mim a interrogação sobre qual é o rumo que julgais correcto para a vossa urbe, pois tenho apenas visto observações sobre os protagonistas que "gerem" vosso destino. Qual será o rumo que pretendeis, que achais ser o correcto, para o desenvolvimento?

Em jeito provocatório, reparo que enfatizais muito a importância dos curriculos, mas caíeis depois em contradição, quando afirmais sobre algumas pessoas que apenas são oportunistas sem curriculo. A minha provocação apenas resulta da leitura dos vossos semanários, onde alguns têm dado supostas provas de não serem parasitas da sociedade, mas como é obvio não irei julgar vossos intentos.

Cumprimentos

lucia duarte disse...

ABONAM POIS. PODE SER QUE O POVO ABRA A PESTANA

Alzira disse...

Boa noite a todos,

Depois de ler tudo o que aqui foi dito sobre o Dr. Rui Rasquilho e o PS não posso deixar de escrever algumas palavras.
Tal como o António afirma, também eu não sei se o meu amigo Rui Rasquilho alardoou ou não o que quer que fosse. Apenas sei que ele afirmou, no pleno uso dos seus direitos, não querer envolver-se na política. Mais, as suas palavras foram dirigidas à obra que pretendia fazer no Mosteiro de Alcobaça e que, pelo que sei, está à vista de todos.
Queira-se ou não, a sua gestão tem conseguido estabelecer uma maior ligação do Mosteiro com a população, pese embora possamos todos discordar ou concordar com alguns eventos realizados. Essa é uma característica essencial da democracia dura e sofridamente conquistada pelo povo português.
É verdade que ele apoiou, livremente, a lista vencedora nas últimas eleições para a comissão política do PS mas, pela frontalidade e verticalidade que lhe conheço, aliás muito semelhante à do António porque, ambos não mandam recados – dizem, não acredito que ele esteja a fazer qualquer jogo para, de surpresa, se apresentar como candidato do PS às próximas eleições autárquicas. Acredito que, se na devida altura ele for convidado e aceitar, o PS sairá dignificado com a escolha, assim como sairá com outras personalidades alcobacenses, militantes e não militantes deste partido que reúnem o perfil, a meu ver, adequado para gerir os destinos do Concelho. Por isso, não concordo com o Joaquim quando diz que o Rui é “Igual ao Sapo que também se rodeia de fieis caninos para não ter oposição”.
António, se eu não te conhecesse bem e não soubesse a admiração que tens pelo meu amigo Rui Rasquilho, e que te levou a querer realizar com ele uma iniciativa cultural para o Concelho, que espero venha a concretizar-se, interpretar-te-ia mal, ao ler as tuas opiniões da forma como elas estão escritas. Talvez as influências que ainda se fazem sentir em ti da língua espanhola te façam, por vezes, usar as palavras com uma conotação que não é propriamente a nossa e, dessa forma, seres interpretado como usando linguagem “excessiva” mas sei que a tua intenção não é essa por isso o deixo aqui expresso.
Felizmente, eu sei o que pensas do Rui Rasquilho e, como também eu sou frontal, compreendo as tuas críticas relativamente a certos eventos que se efectuaram dentro do Mosteiro, como seja a amostra dos doces conventuais. Com efeito, eu própria tive dificuldade em lá estar porque aquele espaço me pareceu mais uma feira do que o Mosteiro e, não gostei. Provavelmente, nem o Rui gostou.
Quanto à forma como o PS tem sido gerido em Alcobaça não me vou pronunciar porque a questão é pública mas, sempre vou dizendo que não se pode tomar o todo pela parte. Há pessoas muito válidas naquela comissão política, incluindo de entre o grupo de pessoas mais jovens. Seria eticamente reprovável tecer aqui qualquer comentário sobre pessoas que pertencem a um órgão político ao qual eu também pertenço pelo que, as minhas opiniões são expostas no local certo – a comissão política, o mesmo já não se passando contigo ou com qualquer outro dos comentadores deste blog que não tenham assento naquele órgão.
Digo apenas que as vossas palavras, e as da população em geral, servirão para que eu e os meus camaradas avaliemos, na devida altura, as escolhas que forem feitas.
Desejo a todos uma Páscoa Feliz.
Alzira

Anónimo disse...

Cara Alzira

As escolhas geralmente são sempre feitas com os mesmos e para os mesmos. É só ver o passado

Não tenho ilusões sobre isso , é muito facil ver quem se vai chegando para a frente, só não vê quem andar distraído.

Sabe os lugares dão muita massa directa e parece que indirectamente ainda dão mais, assim nunca vai ver alguém nomeado pelo PS ou PSD que tenha realmente valor e com provas dadas na vida real.

SE ouver alguém interessado com essas caracteristicas , será logo arredado.
POis se a pessoa tem valor experiência e provas dadas na vida civil, quer levar com ele gente do mesmo tipo, e aqui é que está o problema . E os boys ficam a chuchar no dedo?? não me parece, eles não vão nisso.

Enfim a ilusão do POvo é de certo modo muito bem usada pelos politicos e seus aspirantes.
O Eça continua actual!!!!!

papagueno disse...

Será que atitudes destas não davam direito a perda de mandato? è preciso muita lata, arrogância e falta de respeito pelos eleitores para se dizer coisas destas: "Tem mais que fazer" ou "foi para as termas"? Já parece o outro que é constituido arguido e vai para uma concentração de motas em Inglaterra.

Antonio Delgado disse...

Caro Anónimo é mesmo assim como diz, sem a menor dúvida e tanto o Eça como o Ramalho estão bem vivos porque as mentalidades continuam.

Antonio Delgado disse...

Amigo Papagueno,

eu diria mais é humilhantemente arrogante tratar os eleitores e a república dessa. Mais lhe digo a Câmara na presidência desde cavalheiro, não responde às cartas que lhe são enviadas por parte de eleitores, como deveria e determina o código administrativo. E não responde porque interessa não dar a informação e o cidadão só pode requere-la perante denuncia em tribunal e isso custa dinheiro. Quem paga!? quem perde tempo!? quem se chateia ou importa!? é a sombra desta "impunidade" que este senhor governa em Alcobaça e muita coisa acontece humilhando os cidadãos.

Depois os jornais e rádio local batem palmas a isto tudo porque a câmara é a fonte directa das "pseudo-noticias" e até receitas através de publicidade e editais. Chama a atenção que alguns bloggers e respectivos staffs andem tão preocupados com diplomas da UnI ou do primeiro ministro e não se interessarem com ilegalidades casos de corrupção, exclusão social, homofobia, violência nas escolas existentes por este pais fora ou como as ilegalidades que bradam em Alcobaça com esta câmara PSD.