quinta-feira, março 29, 2007

AQUI AO LADO E TÃO DIFERENTES.




Alguém me poderá elucidar porque é que em Espanha, país que está aqui ao lado e agora gostamos muito de imitar, os políticos vão para a prisão quando praticam acções lesa Estado como: corrupção, branqueamento de capitais, favorecimentos pessoais na compra e venda de terrenos municipais ou pessoais, subornos, fugas ao fisco... entre muitas outras coisas, e, no nosso país, são enaltecidos, segundo parece, por grandes heróis??!!
Ps. todo o comentário bem disposto e elevado é bem vindo.

23 comentários:

Ludovicus Rex disse...

Porque do lado de cá vivemos no país da impunidade e onde subornos, fugas ao fisco e muitas outras coisas, são incentivados.
Portugal un país de salteadores y bandoleros...
Boa escolha musical, aliás como sempre. Um abraço

Anónimo disse...

Como estamos numa altura de grandes reformas no País, seria interessante que os nossos governantes encerrassem os tribunais, acabassem com as nossas policias, e deixassem que os nossos vizinhos estendessem até cá os braços desta Justiça que a sua postagem mostra...
Talvez assim se limpasse muita porcaria que apenas se tem posto debaixo do tapete.
Por cá, aqueles que estão com problemas com a Justiça e eram governantes, até são reeleitos e aclamados como de heróis se tratassem...
Não sei se serão culpados ou não, e como diz a lei, até prova em contrário são inocentes, nem isso me preocupa. O que me preocupa é a impunidade e o branqueamento que se vai espalhando por este País.
Ainda ontem li num jornal desportivo diário, que os advogados de Valentim Loureiro recorreram para o Supremo porque pretendem que as escutas telefónicas sejam consideradas inconstitucionais ou ilegais...
Fico absolutamente baralhado...
Então o que está em causa não é saber-se se houve ou não corrupção?
Se os indiciados são ou não culpados do que são acusados?
Ou pelo contrário aquilo que se quer provar é que as escutas telefónicas não são legais?
Que conceitos de justiça são estes?
Isto está tudo doido ou sou eu que fiquei maluco?
Mas que raio de cultura é esta?
VENTOS DA BAÍA

lucia duarte disse...

bom, não são só os corruptos - também há corruptores. e impunidade é para "os grandes"

ORTOGAL disse...

O poder judicial tem de ser reformado: parece-me ser esta a grande questão. Vejam como a "classe dirigente" se mantém impecavelmente "limpa" de crimes, enquanto o resto do povo vai acumulando multas e condenações. Por este andar só aqueles que já nos "governam" estão em condições de nos governar. O que lhes dá um imenso jeito...

Não faz qualquer sentido que um poder destes se mantenha vitaliciamente, isento de qualquer escrutínio popular e imune a qualquer acusação. O Mestre e seus discípulos ainda andam a reflectir sobre tão difícil reforma. Até agora estabeleceram para juízes e magistrados "Função nobre acessível a qualquer cidadão idóneo, reconhecido na sua circunscrição pelas virtudes da honestidade, rectidão, imparcialidade e justeza de carácter. Para o exercício o cidadão deverá ter idade superior ou igual a 2/3 da idade média da população. O seu mandato deve ser limitado no tempo, não superior a 1/5 da idade média da população, e não pode ser renovado.". O que me parece é que se fosse este o critério na Europa talvez houvesse hoje uma grande falta de candidatos...

Jorge Casal disse...

Eu não me admiro que, em Portugal, corruptos e corruptores, vigaristas e grandes ladrões andem à solta e sejam tidos por heróis. A História de Portugal está cheia disso. Os portugueses nunca conheceram um Estado de Direito. O servilismo e o clericalismo criaram a Inquisição; daqui passou-se para o nepotismo, o banditismo, o golpismo e o caciquismo como modelos políticos do séc. XIX; a República foi caciquista; daí passou-se para o fascismo; este continua nas práticas políticas, como é natural nesta sequência cultural de séculos. A democracia portuguesa foi instituída a pensar, ANTES DE MAIS, na casta dos políticos - com algumas liberdades cívicas de que o povoléu venerador-e-obrigado dos caciques sempre prescindiu, desde os afonsinos. Veja-se como o povo elege as Fátimas Felgueiras, os Valentins Loureiros e outros que tais. É a razão por que esta casta de políticos Á PORTUGUESA se tem considerado acima da lei e dos tribunais. O 25 de Abril fez uma revolução política (para uso dos políticos); devia ter feito também uma revolução cultural, radical. Mas atenção! No passado, não havia «povo» (um termo digno e nobre) mas «povoléu», «populaça», «pata ao léu», «massa bruta», «camadas servis», «lacaios» e ignaros». As coisas estão a mudar. Com um grande atraso, mas estão a mudar. Denunciar os escândalos, apontar os corruptos já é um bom pontapé para a mudança.

Um abraço Jorge Casal

Atalívio disse...

Caro Antonio,

gostaria de agradecer os simpaticos comentários que deixou no meu blog. Já o queria ter feito ha mais tempo, mas por nao o ter feito imediatamente, ocorreu que me esqueci. Nao sei quem é o senhor, mas visto que é da minha terra, pode ser que um dia se proporcione um encontro. Neste momento estou a viajar por tempo indeterminado, ou como alguns amigos me dizem, estou armado em parvo, e o seu blog é tambem um "cheiro" que me chega de Portugal.
Tenho a mania de usar as minhas palavras, e nao as dos outros, embora elas as vezes vao ao seu encontro, mas enfim, eu tambem ando por cá. E entao que o meu comentário ao seu post é este:
Se o meu País nao fosse de brincar, eu ainda pensava que isso era uma brincadeira.
Um abraço cordial,
Atalívio

Antonio Delgado disse...

Estimado Atalivio,

Obrigado pelo seu comentário e desejo de boas viagens.
Não faça como quem recomenda os portugueses " viajar fora cá dentro" ou "faça férias fora dentro" para depois aparecem engessados porque não sabiam esquiar e foram fazer ferias e esquiar para fora. O país está a arder e estão de férias fora e não se importam; Num mundo tão grande tem a apontaria para ir de férias (natal ou passagem de ano) para junto do lider da oposição, num hotel a escassos cem metros num pais tropical...de facto tudo parece brincadeira de garotada. Mas num país infantilizado que nunca cresceu que se pode esperar!?!? Volte sempre se assim o entender!

um abraço
ANTÓNIO

XRéis disse...

sabe que sou descendente dos nossos visinhos, por muitos anos pensei que o melhor que me aconteceu foi ter nascido deste lado.Acredite que nos ultimos meses tenho pensado, como seria difrente se o meu trisavo nao se tivesse apaixonado pelo Alentejo, mas logo a seguir penso que tudo isto um dia vai mudar... ou nao...vamos todos acreditar que sim.

paiva disse...

A julgar pelo conteúdo das secções sobre política, cidades, sociedade, etc. da imprensa dita de referência este assunto é tabu.

Quiçá por haver vasos comunicantes entre aqueles que detêm os meios de comunicação e os brâmanes políticos autárquicos estes assuntos não são notícia.

Porém, mais grave, é que estamos perante casos de polícia, crimes de lesa-átria em que nem a IGATE, cuja função primordial seria precisamente fiscalizar a lisura dos procedimentos de administração do território, intervém. Veja-se, a propósito, os efemísticos propósitos de tal entidade em
http://www.igat.pt/DesktopDefault

O caos territorial testemunha bem a eficácia desta e de outras entidades similares.

Com um abraço,
Paiva

Anónimo disse...

Só queria agradecer essa música tao maravilhosa que é uma verdadeira delícia para os nossos ouvidos. Obrigada querido António.
Ema Pires

EstrelaAfricana disse...

Caros amigos,
Fala-se em justiça, em conceitos de justiça, em impunidade, em verdade...
É verdade que todos desejávamos uma sociedade mais justa, sem impunidade e com maior verdade.
Mas, como é isso possível se os homens que a compõem são, quotidianamente, injustos e inverdadeiros?
Será necessário que, com urgência, se comecem a reciclar mentalidades, culturas e personalidades. Que renasça um Homem Novo, com uma visão nova de sociedade, em que todos e cada um se esforcem por, através do seu contributo e exemplo, ajudar à construção de um Mundo Novo.
Não será o caso de, todos e cada um, deverem começar por olhar para si próprios e iniciarem uma conduta justa e verdadeira para consigo próprios e para com os outros?
Eu sei que as minhas palavras são, por enquanto, pura utopia.
Eu própria, quando olho para mim, encontro erros passados, mágoas deixadas, enfim... lições de vida para o futuro. É a eterna dicotomia humana entre o ser e o dever-ser.
Mas, é da utopia e do sonho que nascem as grandes realizações humanas por isso, vale sempre a pena lutar pelos nossos ideais.
Vale sempre a pena olhar para a vida já vivida e reconhecermos os nossos erros, aprendermos a melhorar como pessoas, extraindo deles as lições positivas que nos deixam espalhadas pelo caminho já percorrido.
A Humanidade só será humanista quando todos olharmos à nossa volta e conseguirmos ver no outro um irmão, com defeitos e qualidades, com passado e com presente, esquecendo ressentimentos e dando as mãos em fraternidade.
Obrigado António por esta postagem que nos obriga todos a pensar na melhor forma de construirmos o tal Mundo Novo que almejamos.
E, obrigado também pelos momentos de real e inteira felicidade que esta música deu e continua a dar.
Tu encerras em ti a qualidade da frontalidade que, compulsivamente, lutas por transmitir aos demais. Sem peias nem restrições…
Ontem, hoje e amanhã…estarei contigo.

Antonio Delgado disse...

Estimada Estrelafricana,
esta qualidade de que falas é a minha forma de ser e estar. Sei que sou por vezes incoveniente, mas esta inconveniência vem do bem que eu quero aos outros mas sobretudo à minha terra, muitas vezes mais do que a mim próprio. Para muita gente deveria de ser o contrário uma vez que tudo o que fazem não passa de promoção pessoal para branquear desejos e ambições ocultas rodeando-se de amigos e lacaios, escolhidos a dedo, com o objectivo de estes os arrouparem e abrirem caminho para os seus intentos...politicos (disfarçados de bons samaritanos).
Será que quem usa os outros para se auto-promover tem algum valor como pessoa???

Um beijo apolítico e sincero...
Ontem, hoje e amanhã…estarei contigo.

lucia duarte disse...

bom, não querendo meter-me na conversa sempre vou dizendo: é de muito mau gosto querermos subir usando os outros mas, infelizmente é o que temos mais.
ainda bem que sou pequenina e, com esta idade já não posso crescer...

Anónimo disse...

Meu amigo António,
Se a lei se aplicasse cá como em Espanha parece que se aplica ficávamos com os políticos quase todos no desemprego. O estado ia à banca rota porque não havia dinheiro para pagar tão grandes subsidios de desemprego...
É que vai uma crise!!!!
O nosso sapinho já estava a ver o sol aos quadradinhos à muito tempo e, com jeitinho, tinha levado o Byrne para lhe fazer companhia. Afinal os amigos são para as ocasiões.
Continue que isto está interessante.
Um abraço
Armando

EstrelaAfricana disse...

Olá Lúcia,
Você nunca se mete na conversa. Pelo meu lado só posso concordar consigo. Mas, a verdade é que há certas pessoas que fazem todos os malabarismos possíveis e imaginários para enganarem o pagode e irem levando a deles avante.
Tal como você também eu sou pequenina e sem aspirações aos voos de que se fala e ainda bem.
Nada melhor do que depois de um dia de trabalho poder deitar a cabeça no travesseiro descansada e de consciência bem tranquila.
Deixemos as guerras dos presidentes para aqueles que as quiserem travar e, como diz o povo, quem tem unhas toca viola.
Só espero que da próxima vez tenhamos melhor sorte...

XReis disse...

Estou aqui para desjar boa Pascoa.
XReis

Ludovicus Rex disse...

Boa Celebração da Primavera ou Boa Páscoa.
Um Abraço

LLUVIA disse...

Jejeje..
¡Buena exposición haces de nuestros políticos!
En primer lugar pienso que el poder siempre corrompe..los políticos, prometen soluciones para todo, para que les votemos y luego se olvidan de sus votantes y se enfrascan en la tarea del enriquecimiento personal.. Indudablemente no todos, pero sí muchos.

Y en segundo lugar, veo el lado positivo de todo ésto, que como en casi todo , tambien lo hay. Y es que por lo menos ahora , salen a la luz muchas de las operaciones de corrupción y son juzgados , sean quienes sean los ladrones; porque eso es lo que son.
Y quizá cuando no saltaban a la luz pública estas noticias , es porque los políticos tenian mayor impunidad y no nos enterábamos de nada.
*****

Gracias por tu visita, ANTONIO. Me has dado una alegría.
Tus comentarios son especialmente
bellos. Son de un poeta, evidentemente.
Me ha gustado la cita que me das de F. PESSOA. Tengo pendiente , conocerle más, porque me fascinó.

Me ha gustado tu secreto, no se lo diré a nadie jeje.. te cuento otro. Cuando era pequeña, me subía a algún alto y abriendo los brazos, bajaba corriendo. Y con la imaginación que yo tenía.. sentía
que volaba. Me parecía tan fácil volar :DDD ( sonrisa grande)

Bueno ANTONIO, que ha sido un placer recibirte de nuevo y que
te dejo aquí un montón de beijos.

papagueno disse...

Será que não teria sido melhor que D. João IV tivesse ficado lá no seu cantinho quando o aclamaram rei? Hoje se calhar andávamos por aí a meter bombas pela independência, mas pelo menos tinhamos um país mais justo, salários melhores, preços mais baixos e políticos menos medíocres.
Fica aqui a minha pequena provocação.

Anónimo disse...

En Méjico tambien se llama doctores a los diplomados

Anónimo disse...

¿Traicionó Leónidas Plaza a Eloy Alfaro Delgado?

Antonio Delgado disse...

Hola lluvia
Gracias por tu amable comentario. De verdad que estouy de acuerdo contigo porque efectivamente parecía que los políticos tenían un bula con la impunidad cuando platicaban cosas ilícitas. Y se hize este post fue por una noticia, sobre el Alcalde de pueblo Alcobaza, que no declaró los impuestos en siete años: en nueve nueve años como presidente tan solo por dos veces lo hize. Esta es la razón de “AQUI AL LADO Y TAN DIFERENTES” que viene en secuencia del anterior post. En Portugal la justicia pasa por una crisis muy grave…y no es por esto del alcalde es por cosas mucho mas graves que pasan en Portugal.

Sobre mis comentarios gracias por tus generosas palabras como siempre . Y sobre lo que digo supongo que no hay nada de bello sino verdadero pero se ser sincero es sinónimo de Belleza entonces igual son bellas mis palabras y no me doy cuenta… ¿será?. Fernando Pessoa es un poeta muy interesante para leer e meditar tiene cosas profundamente bellas! Que bonito ese secreto tuyo… el volar fascina mucho las personas… ¿verdad? seria interesante un blog para cambio de secretos.
Gracias por tu simpatía y por los besos que retribuyo
António

Antonio Delgado disse...

Amigo papagueno,
É muito pertinente a questão que põe, até porque andei a fazer um levantamento sobre património arquitectónico na zona da Guarda, (Aldeias Históricas) e verifiquei em lugares como Figueira Castelo Rodrigo muito desanimo nas pessoas em relação ao poder central e Lisboa. Várias chegaram-me a fazer essa observação que o Papagueno faz. Verifiquei também que muitas pessoas, daquela região, vão ao médico fazem compras e adquirem casa do outro lado da fronteira, onde tudo é mais acessível e em conta. Do outro lado a atracão é enorme: O Fraga dizia qualquer coisa parecida que “ preferia casamentos entre galegos e portugueses que entre Galegos e madrilenos”, Espanha é um Pais que atrai franceses, alemãs e gente da morte da Europa. O espírito do outro lado é este e depois a comunidade Europeia estimula o euro regiões. Tudo corre a favor para que a proximidade seja efectiva. Depois Salamanca, Zamora, Badajoz só para mencionar estas cidades estão muito cerca e com níveis de vida bastante satisfatórios para aquela zona do interior. Não podemos ver a história e as nossas relações com o país vizinho com os óculos de Salazar, senão entramos em contradição. Obviamente que temos peculiaridades especiais e devemos de as manter.
Sobre a provocação respondo-lhe com outra suponho que o D. João IV era um Banana, pelo menos o mito assim o descreve tendo em conta as palavras da sua mulher que cito de memória, “mais vale ser Rainha por um dia que duquesa toda a vida”... e se fosse realmente a ideia dela nos levou à independência...será o poder da almofada um enorme espaço de intriga e decisão? Se forem as ciências sociais tem um enorme campo a explorar ?
Um abraço