sábado, junho 30, 2007

UM AMIGO FIEL É UMA ALMA EM DOIS CORPOS (Aristóteles)



Extrai na integra , o texto a amarelo, excepto a imagem, do blog LUSOFOLIA. Hoje é domingo e em cada dia que me levanto tenho a esperança de encontrar um mundo melhor, onde não exista guerra, fome, ódio, tristeza, inveja ou dor ... Ao viajar pela internete encontrei este vídeo que me mostrou como os animais tem condutas NOBRES E MUITO ELEVADAS! Por isso partilho esta minha comoção com todos vós... continuação de um BOM DOMINGO.
"Em Moçambique, um cão adoptou um macaquinho selvagem e os dois tornaram-se inseparáveis. Quando fortes cheias atingiram o Norte de Moçambique em 2002, causando a miséria e grandes prejuízos às propriedades e às colheitas, muitos animais foram deixados à sua sorte. Mas os habitantes de Caia, na margem direita do rio Zambeze, presenciaram uma amizade estranha entre um cão e um macaco. Um cão magro apareceu do mato com um macaquinho às costas. Os habitantes deram-lhes os nomes de Billy e Kiko e os dois tornaram-se inseparáveis desde então.

23 comentários:

Ema Pires disse...

Olá António,
Fiquei mesmo comovida com o vídeo. Ainda por cima, esse cão é muito parecido com o meu Spock e igualmente amável. Podemos ver muitos exemplos de animais que em momentos de desgraça ajudam outros dos quais são normalmente inimigos: gatos que adoptam passarinhos caídos do ninho e leoas que dão de mamar a antílopes. Isso também já o vi.
Este vídeo põe em evidência que os animais têm sentimentos e são capazes de ternura e carinho, ao contrário de muitos humanos.
Com que afecto esse cão trata o macaquinho órfão. Deveríamos tomar exemplo e não andarmos a matar-nos entre nós, a golpe de pedras primeiro, paus, facas e agora bombas e granadas, armas cada dia mais tecnológicas e letais. Sem esquecer as armas bacteriológicas, que cabem em muito pouco espaço e podem disseminar uma povoação num tempo record, deixando só sofrimento, morte e desolação.
Deveríamos fazer desaparecer a palavra Guerra do nosso vocabulário e só pensar em PAZ!
Obrigada por essa postagem tão bonita.
Beijinhos

A. João Soares disse...

Caro António,
Depois do comentário de Ema Pires, não é preciso acrescentar nada. É realmente pena que os homens sejam menos afectuosos do que os animais. A ambição a criação de novos meios de domínio dos outros, criam um espírito de competição doentio que oculta a racionalidade que dizem diferenciar dos animais.
Gostava de sentir razão para esperar melhorias, mas não encontro pistas que justifiquem optimismo. Muitas vezes procuro convencer-me do contrário, mas as minhas palavras cheiram-me a utopia. Os motivos que estão por trás dos meus últimos posts em Do Mirante deixam-me preocupado com o estado de saúde mental dos portugueses, a começar pelos políticos.
Abraços

Zé Povinho disse...

A irracionalidade dos homens contrasta flagrantemente com a dedicação que podemos observar nos seres que nos rodeiam.
Um mundo melhor pode ser uma utopia, mas não podemos desitir de dar o nosso contributo, pois ainda pode ficar pior.
Abraço

Freyja disse...

UNA LINDA SEMANA ANTONIO Y QUE ESTES MUY BIEN LINDO AMIGO
BESITOS


BESOS Y SUEÑOS

J.G. disse...

São espantosos os exemplos dados pelos nossos irmãos de 4 patas.
O Homem é que não aprende nada!

Um abraço.

Antonio Delgado disse...

Os animais dão constantes lições de humanidade e defacto este video demnstra-o. Sabes como sou sensivel a certas imagens. O Cachorro que por sinal é novo de facto é muito parecido com o eu Spock.
Bjs.
Atónio

Antonio Delgado disse...

Amigo A. João Soraes há muita inumanidade nos seres humanos e nos animais alguma. Talvez a diferença entre uma e outra é que nuns o instinto prevalece sobre a razão nos outros é ao contrário. É destes ultimos que realmente tenho medo.

Cordialmente
António Delgado

Antonio Delgado disse...

É a utopia que me move em muita das minhas acções Amigo Zé. E não abdico dela. Alias "OTUPIAR" é , por ventura a minha forma de ser e estar .

Antonio Delgado disse...

Amiga freyja Obrigada pela tua visita. que tenhas um lindo dia.
bjs
António

Antonio Delgado disse...

Pois são amigo J.P. não sei que não ou não lhe interessa...sobretudo a alguns.

Abraço
Antonio

Maria Faia disse...

António,

A experiência mostra-nos que relativamente aos afectos os animais não andam muito longe dos humanos. Tal como nós, também os animais interiorizam reacções, comportamentos, estados emocionais que lhes são transmitidos pelos outros animais ou humanos, através dos comportamentos destes, ao longo da sua vida e que, portanto, moldam a sua relação com os outros, inclusivé com os humanos.

Tal como para nós, penso que, também para eles a màxima "comportamento gera comportamento" é absolutamente real.
De facto, os animais são extremamente sensíveis à forma como os outros os tratam, cuidam, ou lidam com eles.
Eles também sentem ou, pelo menos, eu penso que sentem.
Mas, enquanto os humanos escondem, muitas vezes, os seus sentimentos, deixando-se dominar racionalmente pelos seus interesses, os animais parece-me que são mais espontâneos e verdadeiros pois, reagem por instinto, sensações e emoções.
Exemplo disso é o carinho e a festa com que o teu Ulisses nos recebe e o ar triste que faz quando fica sózinho em casa. As brincadeiras alegres e felizes que faz, o enroscar-se junto de nós pedindo festinhas, as lambidelas que dá como manifestação de carinho.
Os animais são puros e verdadeiros.

beijinhos

Ema Pires disse...

O Ulysse éo mais simpático dos caes, tao simpático como o Spock, que já é dizer.
Beijocas

Maria disse...

Caro António, tanto que os animais nos ensinam, e tanto que os homens se esquecem que são bichos e a natureza se defende e une. O afecto é encontrado e os exemplos melhores são surpreendentes. Haja humildade de aprender e cultivar os valores certos.

"o moço da bodega" disse...

Nobre Antonio.
Quando nós, seres humanos atingiremos tão grande grau de civilidade?

Um abraço e muitíssimo parabéns.

Freyja disse...

querido amigo
te dejo muchos cariños y deseo que estes muy bien
que la semana siga linda, besitos



besos y sueños

Ludovicus Rex disse...

Fascinante...fascinante...
Um abraço

Antonio Delgado disse...

Pois são Alzira! não tem inveja, nem rancor nem maquinam nas costas de ninguém, agem naturalmente só em caso de defesa própria e de território ou de fome. Dizes que “os animais (...) são mais espontâneos e verdadeiros pois, reagem por instinto, sensações e emoções”... e os humanos reagem por que?

Bjs.
Antonio

Antonio Delgado disse...

'E mesmo muito simpatico.E é o pai putativo do teu. Lembras-te quando o teu spock era pequenino e queria imitar o ulisses em tudo o que fazia? E o Ulisses a defender o teu cão dos cães grandes no passeio? de facto os animais ensinam-nos muito...por vezes passo imenso tempo a olhar para o Ulisses e a imaginar o que ele pensará e imaginará de mim, da casa, da vida, do mundo da poluição,do Socrates, dos delatores das guerras...enfim dessas coisas que nos preocupam no dia a dia...Bjs António

Antonio Delgado disse...

Caro Maria são bonitas e sábias as tuas palavras mas infelizmente o ser humano é assim, é antropocentrico por natureza ! nada existe senão ele é o unico que quer alterar o espaço onde nasceu. Parece que está desintegrado.
Abraço
António

Antonio Delgado disse...

Irmão Moço da Bodega:por vezes o meu pessimismo leva-me a pensar que nunca, no entanto sou um homem e fé e tenho esperança.

Um abraço

Antonio Delgado disse...

Obrigado pela tua visita, FReyja Linda . Para ti também muito boa semana.
Bjs
Antonio

Antonio Delgado disse...

um abraço Ludo e todos esperamos um rápido regresso.

Abraço fraterno
António

Alzira Henriques disse...

Antonio,
Muitas vezes os humanos reagem por interesses proprios e não com a espontaneidade dos animais. É pena que assim seja mas, infelizmente todos os dias temos exemplos disso.
O teu Ulisses é, de facto, um cãozinho muito simpático e, sobretudo "inteligente" à maneira dele.
Certos humanos, embora usando palavras muito bonitas e sensíveis, demonstram na prática serem precisamente o contrário e, como dizes "maquinam", mentem, difamam, tudo sem qualquer pudor e em nome de prestígio e outros interesses pessoais.
Eu aprendi a dar mais do que recebo e assim tenho feito a minha vida, sem que nunca disso me arrependa e gostaria que a Humanidade fosse isso mesmo: Dar de si antes de pensar em si.
Mas, é a sociedade que temos...
Quem sabe os Homens ainda um dia aprendem...o significado da consciência e da verdade.