segunda-feira, outubro 08, 2007

ANTONIO ARNAUT RECEBE PRÉMIO CORINO DE ANDRADE



António Arnaut um dos fundares do PS, socialistas e republicano convicto, um homem que preza e ama a liberdade além de cultivar o humanismo. No sábado (6/10/2007) deu uma entrevista ao Diário de Noticias, motivada pelo prémio Corino de Andrade com o qual foi recentemente agraciado. Exponho três respostas a igual número de perguntas que exercerem sobre mim admiração e às quais faço uma vénia. O entrevistador João Fonseca e perguntou-lhe o seguinte:

Deixou a advocacia e tem vindo a dedicar-se à escrita, mas a justiça em Portugal também o preocupa?

Preocupa-me sobretudo uma certa irresponsabilidade e laxismo de todos os agentes judiciários (juízes, Ministério Público, advogados e funcionários), que não compreendem que a justiça é a pedra axial de um Estado de direito. Preocupa-me a demora excessiva na resolução de pleitos, que, por vezes, resulta da irresponsabilidade daqueles agentes. Se a justiça não é administrada em tempo útil deixa de o ser. É um mal antigo, mas nunca atingiu proporções como agora.

Justiça e Saúde estão doentes?

Ambas padecem de males profundos, mas o sistema de justiça sofre de doenças mais graves

Está desencantado com Governo?

O Comportamento do Governo socialista não está a cumprir a sua responsabilidade histórica.
in DN. 6.10.2007 (contra capa).

Sendo a justiça uma pedra basilar na organização e formação de um Estado, como pode este funcionar, quando ela não é aplicada? Como pode um país evoluir economicamente se a justiça não funciona e não dá garantias aos inversores? Como se sentirá um cidadão num Estado onde a justiça só está ao serviço das oligarquias?

A caricatura da Justiça foi retirada do blog amigo o ZÉ POVINHO ...espero que me perdoe!

A TODOS E TODAS DESEJOS DE UMA EXCELENTE SEMANA.

14 comentários:

O Guardião disse...

António Arnaut colocou o dedo na ferida, mesmo focando a sua atenção apenas na saúde e na justiça.
Há quem não deixe de denunciar o que está verdadeiramente mal na nossa sociedade, apesar das suas simpatias ou filiação política. É a verticalidade que eu admiro, mesmo em quem tem ideias diferentes das minhas.
Cumps

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo Guardião,

Subscrevo por inteiro tudo aquilo que afirma.

um abraço fraterno.

(.) disse...

Este homem é lúcido mas as suas palavras agora já não pesam. Antes pesam as de outros "Arnauts" que por aí vão fazendo o seu trabalhinho...

Se no 25-4 as elites políticas provinham da burguesia afecta ao PPD/PSD, e se na mesma altura o PS ainda não podia ser considerado um "partido burguês", hoja a situação alterou-se substancialmente, e o PS já não se distingue do PSD. Ambos resistiram à renovação e ficaram presos às teias da banco-burocracia que os sustenta. É claro que acredito nos partidos, mas só com profundas renovações internas (daquelas a que o PCP sempre foi avesso) lá chegaremos com PS/PSD. As renovações fazem-se a bem, usando da virtude da prudência, ou a mal, quando não há pão e todos ralham. Veremos o que nos traz o futuro deste país que cada vez mais tresanda a porcaria.

Grande abraço,

Valdemar

ANTONIO DELGADO disse...

Não pesam mas apoquentam e acredita naquilo que te digo Valdemar. Recordo-te e poucos sabem que este "lucido homem" como o defines foi, várias vezes equacionado e abordado para ser candidato à presidência da Républica e não avançou por razões que não te exponho no blog.
...sobre as palavras dos “ outros Arnauts” estou como a figura da justiça, com as vendas na cara e nos ouvidos. Podem dizer coisas mas a verdade é que não os vejo nem oiço...mas pode ser defeito meu!

Será que queres melhor PSD que o actual PS? Este partido tornou-se num autentico DOIS em UM e o ENGENHEIRO Sócrates só lhe falta sair do armário e assumir-se como um verdadeiro Social Democrata, E O VERDADEIRO LÍDER DA OPOSIÇÃO AO PS porque fá-lo melhor que ninguém...será que andas distraído Valdemar?
Corrigiria a tua definição de Banco-Burocracia pela “BANCOCRACIA”...senão tens no teu léxico a palavra aponta-a. Ahahahahahahaha. (rir um pouco também faz bem!)

É a “Bancocracia” que nos governa e orienta as nossas vidas sem nos consultar, por empenhada que está em ter, cada vez mais lucros como os jornais nos informam e as pessoas declaram falência. Pessoalmente não acredito nos partidos e muito menos na sua renovação, já viste o que era ter num partido várias pessoas (muitos militantes) que não se pautassem pelas bitolas do”aspertalhamento”, do expediente, do tacho, do yes man, da incompetência, do favor e troca deles. Do sucateiro espírito, toma lá dá cá transformado na negociata fácil e por debaixo da mesa? Das mordomias, daqueles que não se andam a oferecer a ninguém? Se houvesse muitos e muitas assim as coisas poderiam ser diferentes nos partidos e consequentemente na vida publica. Mas isso seria uma utopia e não acredito nelas no interior dos partidos. Suponho que não me enganaria se te dissera que 90% do militantes andam nas orgaizações partidos APENAS POR INTERESSES!

Quanto ao cheiro há muito que o noto mas parece que a pessas gostam. Para elas é como viverem junto a pecuárias se calhar nem o notam ou talveez pior se calhar já não são capazes de viver sem ele! Péssimo é para aqueles que não o suportam ...esses sim vivem mal!

Um abraço fraterno para voces
António

12:07 PM

Freyja disse...

querido Antonio
es un gusto siempre llegar aqui y ver tus post que siempre muestran al mundo algo interesante
muchas gracias por tus lindos saludos y tu compañia
muchos cariños y que estes muy bien, que sea una linda semana amigo
besitos


besos y sueños

ANTONIO DELGADO disse...

Apreciada Freyja,

que alegria verte por aqui! de verdad que sentia tu falta . Muchas gracias por tu visita y te deseo una semana llena de felicidad y mucho amor por tu Chile.

Un beso azul y tierno desde Lisboa.

António

Freyja disse...

gracias querido amigo por tus bellos saludos en Alma de mujer
besitos y muchas gracias por tu compañia desde el ultimo lugar del mundo, llamado Chile
una abrazo muy grande y muchos cariños amigo, que estes para tu hermoso Lisboa
un abrazo Antonio y cuidate


besos y sueños

A. João Soares disse...

Há momentos iluminado na nossa vida! As palavras de Arnaut e a troca de comentários são muito esclarecedoras. Deixam a janela aberta para a realidade que fica visível em muitos pormenores.
Mas que fazer? Qual o rumo salvador que nos pode levar a bom porto? Creio que, o detentor da soberania, o povo, deve abrir os olhos e pressionar o poder obrigando-o a defender os interesses nacionais e não os da oligarquia. Para começar deve haver manifestações ruidosas sempre que seja nomeado um qualquer assessor sem concurso público. Há que começar por fazer uma séria desinfestação dos gabinetes pagos pelo nosso dinheiro, eliminando sem dó nem piedade, todos os parasitas que entraram pela mão dos amigos coniventes, acabar com as nomeações por confiança política. São precisas nos lugares chave pessoas honestas e competentes, que queiram trabalhar para bem de Portugal. É imperioso que os políticos deixem as pessoas falar e criticar, ouvi-las e levar em conta as suas razões de indignação, deixar de exigir que o povo se comporte como um rebanho de ovelhas abúlicas e indiferentes.
Parabéns ao António Delgado pela forma como está a orientar este blog que é um local de interesse público.
Abraço

Meg disse...

Um Homem que admirei desde sempre. Pela frontalidade sobretudo. É uma pena que os poucos que restam deste calibre já não têm lugar ou não querem fazer parte deste NOVO socialismo. Resta-lhes poder dar uma opinião. Mais nada.

Um abraço

ANTONIO DELGADO disse...

Querido Freyja,

Sabes que es una mujer al que aprecio mucho, y como mujer muy particular me mereces toda la atención y admiración.
un beso azul y lleno de Sol desde este rincón al otro lado del atlantico.
António

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo A. João Soares,
Antes de mais o meu obrigado pelas belas palavras que dedica a este espaço, no final dos seu comentário. O autor deste blog que só trocar ideias num circular de palavra. Com incidência sobre Alcobaça. Mas sempre tentei que o Blog não fosse apenas um lugar monografia para falar sobre uma terra mas fazer do que se comenta verdades de todos nós e de qualquer lugar mas tendo nalguns casos Alcobaça como referencia. Seja pela Mentalidade cultural predominante, seja pela cultura politica, seja para retratar os políticos tal como são em meios pequenos, como Alcobaça onde esta lacra vive impunemente sobre as iniquidades que fazem e não teem remissão.
Quanto ao António Arnaut tenho uma enorme admiração pelo advogado, pelo político que foi mas tenho sobretudo uma enorme admiração pelo HOMEM. E escrevo homem com letra grande porque ele deve de ser dos poucos que conheço pessoalmente, onde pensamento humanista, ideal , sentido ético e praxis são coincidentes. UM HOMEM QUE DIZ DIANTE DO MARIO SAORES EU NÃO SOU POLITICO SE SOU É UM POETA. Merece a minha a maior admiração. E disse-o no sentido de ser um homem sensível e sonhador preocupado com o bem dos demais. Um homem que abandonou a politica porque senão teria que estar constantemente a votar contra os seus colegas de partido no parlamento, conforme confessou merece que tenhamos um enorme respeito pela sua conduto . Ou mesmo dizer publicamente que há e havia deputados que tinham aquele cargo apenas por vaidade e abandona a política pelos rumos que alguns aventureiros lhe dão merece-me a total admiração pena é que vozes como a sua apareçam pouco pelos jornais e este meios estejam inquinados pelos supostos “master opinión”.
Um abraço fraterno
António Delgado

ANTONIO DELGADO disse...

Amiga Meg
Comparto as suas ideias e seriam necessários muitos mais. Sobre o António Arnaut suponho que o problema não é o de querer ou não querer, até porque o seu sentido de intervenção é sempre muito oportuno e em momentos chaves.
O problema é que hoje os partidos estão dominados por grupelhos ou seitas de interesses, económico, mediático etc. E nada tem que ver com ideais para não dizer princípios sobre a coisa pública. Este é que é o grande problema forçosamente depois vai afectar os partidos políticos e a classe politica. E nesta engrenagem, a causa pública só tem interesse se for uma causa privada onde o politico possa tirar benefícios pessoais A causa comum parece ter desaparecido ou caiu em desuso!
Um abraço fraterno
António

Jorge Casal disse...

A notícia sobre António Arnaut é das mais pertinentes para os dias que passam. Sem Justiça não há Estado. A base do Estado é a Justiça de Estado. Sem ela é a anarquia, a prepotência do mais forte, a oligarquia. O que é que fazem tantos milhares de juizes e de funcionários judiciais quando toda a gente se queixa de que a Justiça não funciona?

Jorge Casal disse...

Poi sim Jorge o resultado de tudo isso é a anarquia em que vivemos e faz forçosamente as pessoas não acreditarem no Estado e muito menos nos politicos...e tem toda a razão.Conclusão pais estagnado, pessoas desmotivadas e o eterno "LEVANTAI HOJE DE NOVO" como nos brinda o hino nacional e assim " LA VAMOS CNTANDO E RINDO".

UM ABRAÇO FRATERNO.
ANTÓNIO