segunda-feira, dezembro 17, 2007

OS IMIGRANTES REGRESSAM A ALCOBAÇA


A Racionalidade e a sensibilidade como idiomas da convivência humana têm léxicos diferentes. O primeiro domina o segundo e normalizou as relações humanas tornando-se na língua franca do nosso quotidiano, e não reconhece o segundo idioma, ou se o reconhece é como dialecto exótico, digno de referência etnografia de mentalidades atávicas que os gestores da racionalidade preservam apenas como facto museológico. Numa época caracterizada pela ideia da memória, a sensibilidade mas também a ética transformaram-se numa espécie de arqueologia do espírito humano a que os primeiros recorrem quando no seu idioma não existem termos para definir novas áreas de construção ou exploração na sua Babel de números. Para isso tomam da linguagem dos segundos termos para construções de ideias e de factos que não são da sua. Denegrindo assim o idioma dos segundos pelo uso travestido dos termos no léxico dos primeiros. Colonizados e humilhados os autóctones do segundo idioma sobrevivem cada vez mais isolados nos ghettos do silêncio olhando mudos para a sua paisagem interior, como refugio de dignidade, por oposição aqueles que não a têm. Esta aos pouco está a transformar-se em terra de ninguém e em êxodo massivo vão partindo para os países da representação, do faz de conta onde para comunicarem têm de se envergonhar ou rirem-se de si mesmos, com desdém ou então adoptam a nacionalidade do vale tudo numa prática de sobrevivência cada vez mais corrente entre os primeiros. Nas ultimas eleições autárquicas em Alcobaça, os dois únicos vereadores eleitos pela oposição ao executivo PSD, imigraram para exercer actividades politicas noutras paragens. Segundo consta um foi para assessor de um qualquer Secretário de Estado e o outro tornou-se Adjunto do Presidente de Câmara da Marinha Grande o qual, recentemente o PCP/CDU obrigou a demitir. Ao que parece num processo nada edificante para este respeitado partido. Foi deste modo que ambos vereadores alcobacenses honraram os compromissos para com quem os elegeu e demonstraram também eles que Alcobaça é de facto a sua TERRA DE PAIXÃO. Agora em época de Natal e com o espírito de bons imigrantes que são, ai estão eles de regresso para se juntarem à família Alcobacense na noite da consoada...será para ficarem?

50 comentários:

Jose Gonçalves disse...

Amigo António
Chegaram ou estão de partida?
José Gonçalves

ANTONIO DELGADO disse...

Caro amigo Jose Gonçalves,

Sinceramente não sei, mas parece-me que o Daniel Adrião só vai às reuniões às segundas feiras .

Um cordial e fraterno abraço.
António.

david santos disse...

Olá, amigo António. Mais uma?!

O que não sabem nem podem fazer os agiotas barões que os substituíram.
É muito mais poético o frade que o barão.
O frade era, até certo ponto, o Dom Quixote da sociedade velha.
O barão é, em quase todos os pontos, o Sancho Pança da sociedade nova.
Menos na graça...
Porque o barão é o mais desgracioso e estúpido animal da criação. (...)
O barão é pois usurariamente revolucionário, e revolucionariamente usurário.
Por isso é zebrado de riscas monárquico-democratas por todo o pêlo. Fim de citação.

Temos que nos deixar de ser mortos, mas vivos.
Temos que nos deixar de ser injustiçados, mas que não temos justiça.
Temos que nos deixar de ser resignados, mas indignados.
Temos de nos deixar de levar com o pau, mas bater com armas que firam, matem.
No fundo, sermos nós e saber que a nossa vida, ainda que a pintem de amarelo-escuro, é só uma.
Por que motivo esperamos? Por duas vidas?
Então quem quiser que espere. Eu não espero. O que eu faço, faço só com aquela em que acredito, uma vida.

Abraços, amigo António.
Até sempre

David Santos

A. João Soares disse...

Caro António Delgado,
O bom filho à casa torna, como diz o ditado. E, como diz a Bíblia em Lucas: 15, 11-31, o filho pródigo deve ser recebido com festa. E, como estamos na quadra Natalícia, em que todos gostamos de ser simpáticos para os outros, é conveniente evitar os ódios que muitos alimentam, mesmo neste período de festa cristã. Esses emigrantes retornados, trazem consigo a experiência de um desgosto que lhes poderá servir de lição para melhorarem o seu comportamento cívico!
Seria bom que assim fosse e se despissem da arrogância que veste a maioria dos políticos mais iníquos.
O ser humano não é perfeito e vemos a demonstração dessa imperfeição a cada passo.
Abraço

LLUVIA disse...

Amigo Antonio, FELICES FIESTAS !!!
Que el año que ya queda atrás , haya enriquecido nuestras vidas, y que el venidero, satisfaga los deseos y esperanzas que guardamos en nuestro corazón.

Un grande abraço ! :)

C Valente disse...

Boa noite Santo Natal com paz e sa�de

Ema Pires disse...

Querido António,
Já faz muito tempo que nao deixava uma mensagem por falta de tempo. É sempre um prazer ler as tuas postagens tao interessantes.
Beijinhos

O Guardião disse...

Enquanto a política for encarada como um emprego, teremos destes caixeiros viajantes a dirigir os nossos destinos. Sempre encarei a política como uma missão e um serviço às populações, pelo que não acredito na sua profissionalização, que tem sido uma caracterísca nos últimos anos. Sem possibilidade de exercer outra actividade, querem eternizar-se no poder, e chegados aí começa a valer tudo.
Cumps

Lúcia Duarte - não me calo disse...

olá antónio
não o tenho visitado por ter andado adoentada mas uma amiga alertou-me para esta postagem e eu não quis deixar passar em branco.
Vou dar-lhe mais uma achega - na sessão ordinária de assembleia municipal, na passada sexta-feira, lá estava o adrião a passar as folhas a um jornal e a mandar mensagens pelo tm, ou a jogar, sei lá.
é uma vergonha quer para o ps que ele representa quer para quem estava na sessão.
o cavalheiro não teve qualquer vergonha da figura que estava a fazer.
mas parece que o partido que o colocou lá também não vê a péssima imagem que isto passa cá para fora

Menina do Rio disse...

Bom dia António, depois de ler tuas palavras eu vim aqui e fiquei pensando: Como poderia eu cativar com meus comentários, se na maioria das vezes fujo pela tangente, por desconhecer o assunto? Digo isso porque teu blog é voltado pra temas locais, sejam de ordem politica cultural ou social e nem me cabe dar um aparte deste lado tupiniquim do mundo. Mas independente de qualquer fronteira, há nesse universo virtual o que chamo de (in)consciente coletivo. A união mãos que teclando movimentam uma energia tão intensa que atravessa o plano virtual e nos toca; ora de modo sutil em versos e rimas, ora de modo brutal despertando-nos da nossa inércia diante da realidade corriqueira.

E, por falar em mãos...

" A mão que toca um violão,
se for preciso faz a guerra
Mata o mundo,
fere a terra...
A voz que canta uma canção
Se for preciso canta um hino
Louva a Morte..."
(Trecho de Viola enluarada
de Marcos e P. Sérgio Valle)

Um beijos

quintarantino disse...

Já aqui houve quem dissesse que o bom filho à casa torna; mas será que estes são bons filhos?

Alzira Henriques disse...

Olá António,

Antes de mais, felicito-te pela criatividade sempre presente e bem disposta com que "adornas" os artigos que connosco partilhas. Esta está espectacular e, tenho a certeza que até os visidos se fartarão de rir. Humor e política conjugam... Só falta a música da Linda de Susa (a do emigrante com sua mala de cartão)...
Quanto aos factos que referes, em minha modesta opinião, os políticos que se candidatam e são eleitos pelo povo, para o exercício de funções públicas de vereação, deveriam, salvo melhor opinião, dedicar-se, de corpo e alma, a essa missão pública da maior importância para o exercício da democracia e a defesa dos interesses dos cidadãos que os elegeram. Mas, infelizmente, nem sempre assim acontece.
Quanto à situação do Rogério e o ocorrido na Câmara da Marinha Grande, gerida pelo PCP, já tive oportunidade de dizer ao visado da minha discordância quanto a esse processo. Em primeiro lugar, penso que, tendo ele sido eleito vereador da CMA não deveria exercer funções noutro município (até porque, a sua intervenção pública em Alcobaça foi muuito mais reduzida a partir daí). Depois, o processo, quanto a mim, muito pouco democrático que levou ao afastamento pelo PCP do Presidente da Câmara eleito por sufrágio directo do povo, afigura-se-me muito turtuoso. O Sr. foi pressionado, ao bom estilo das ditaduras do proletariado.
E, tudo isto porque, ao PCP interessou ganhar eleições e, para isso "serviu-se" do Senhor mas, a certa altura, e porque pensaram ser importante preparar e dar visibilidade a outro para as próximas eleições "correram com ele". Que dizer disto?! Cada um julgará, de acordo com os seus princípios....
Há, ainda, quem diga que o PCP não estava agradado pelo facto de o Presidente da Câmara eleito pelo povo atribuir pelouros ao vereador do PS. Bem, pior a emenda do que o soneto. É que, o povo decidiu e elegeu em segundo lugar o candidato do PS a quem foi entregue o pelouro da acção social. Afinal, o presidente da câmara comunista até tinha agido correctamente, de acordo com a vontade popular expressa nas urnas mas, o partido comunista entendeu que não devia seguir a orientação do povo e, não só "correu com o presidente" como retirou os pelouros ao vereador socialista eleito.
Será esta a democracia do partido comunista?!

Beijinhos,
Alzira henriques

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo David Santos,

Tal como diz “mais uma”!?
Sobre a sua linda parábola , enquadro-me, sem sombra para duvida, no espírito de frade ou do de D. Quixote apesar dos muitos amargos de boca que isso me dá. Mas de forma geral faço aquilo em que acredito e a vida é REALMENTE SÓ UMA. Se critico os frades como já tenho feito nos comentários e postagens destes blog, A critica não é para esses frades que tão bem retrata e com os quais me identifico mas para o tipo de barão que retrata como sendo “ o mais desgracioso e estúpido animal da criação. (...)
O barão é pois usurariamente revolucionário, e revolucionariamente usurário.
E contra esse tipo de barão que usa o hábito de frade para passarem despercebidos que me revolto e critico . São aqueles que no seu idioma não tem termos para definir novas áreas de construção ou exploração na sua Babel de números ou esquemas. E, tomam da linguagem dos segundos ( os sensíveis) termos para construções de ideias e de factos que não são da sua linguagem. Denegrindo o idioma dos segundos (os sensíveis) pelo uso travestido dos termos no léxico dos primeiros (os esquemáticos) . São os Sanchos Panças ...sem nenhuma graça. .
Um forte e fraterno Abraço e desejos de Festas Felizes.
António

Rogerio disse...

Caro António Delgado,
Quero agradecer o seu humor que me fez rir da minha figura caricaturada de um teen ager emigrante...
Quero esclarecer 3 pormenores:
1.Nunca saí de Vereador da Câmara de Alcobaça e se não faço mais, com pelouros ou em missões concretas ou na administração dos SM é porque a maioria PSD não quis (nem quer) nestes 10 anos.
2.O que fui fazer à MGrande, em Comissão de Serviço, em vez de trabalhar na Escola, foi ser Chefe de Gabinete do Presidente da Câmara.
3. Conhecendo todo o processo da renúncia acho que não foi o Partido que criou aquelas cenas desagradáveis, foi o eleito que não percebeu que deve estar no colectivo da CDU, antes, durante e após as eleições...
Rogério Raimundo

ANTONIO DELGADO disse...

Concordo plenamente consigo amigo A. JOÃO SOARES,
Da minha parte nem é preciso esperar pela época Natalícia, porque estão perdoados. Quem me conhece sabe que não sou pessoa de estimular qualquer tipo de ódio POR NINGUÉM. Posso ser é pessoa para estimular a critica que muito prezo. Em Alcobaça o acto de criticar sai caro a quem o faz. Por exemplo: uma amiga, segundo parece, teve que se despedir de um jornal, por sinal propriedade da paróquia local, devido a criticas que fez a situações reais passadas nessa terra. Outro senhor que criticou, NESSE MESMO JORNAL, segundo ele, os plágios e publicações de fotos sem autorização e sem mencionar as fontes no livro de um “petulante ou pretenso historiador”, como designava o colaborador o suposto historiador. Também este colaborador, segundo parece, foi impedido de continuar as suas crónicas e o pretenso historiador enaltecido no jornal pela sua “camarilha” e convidado a escrever crónicas sobre frades ou outras frivolidades. Para cumulo o presumido historiador é, segundo parece, muito amigo do vereador do Ps...tudo boa rapaziada. O assunto da crítica ao historiador pode ser consultado no blog BAZAR DAS FREIRAS. A atitude do director do Jornal, ao impedir a continuação dos artigos, impediu as pessoas de Alcobaça de perceberem ou fazerem um juízo sobre com quem compartem vizinhança. Na minha opinião a censura informativa deve de ser um dos grandes problemas desta terra e o outro são CERTOS BARÕES QUE SE ADORNAM COM HABITOS DE FRADES PARA TENTAREM PASSAR DESPERCEBIDOS. (ver a ideia de barão no comentário do amigo David Santos).
Não tenho ódios por ninguém no entanto não gosta é de comer gato por lebre nos restaurantes, quando na ementa está escrito que é LEBRE.
Quanto aos personagens, simplesmente quis parodiar com uma realidade. Nutro uma enorme admiração pelo vereador que foi adjunto do presidente da Câmara da Marinha Grande e ele sabe-o muito bem. Muitas vezes deixei essa admiração expressa neste blog e no blog Gentes e Frentes.
Um forte e fraterno abraço.
António

ANTONIO DELGADO disse...

QUERIDA LLUVIA
GRACIAS POR TU AMISTAD Y PARA TI TAMBIEN FELICES FIESTAS
UN ABRAZO
António

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo C. Valente,

agradeço e retribuo a dobrar.
Um abraço forte e fraterno
António

ANTONIO DELGADO disse...

Ola Ema que tal estas?

Sim faz muito tempo que não passas por aqui. Fico contente por gostares o espirito é esse. Humor, critica, tertúlia e troca de ideias.

Bjs.
António

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo Guardião,
Na minha óptica os problemas que levanta são muito reais e são em efectivo parte da grande questão de fundo que é servir, no bem, a causa pública. Enquanto os políticos forem recrutados, grosso modo, pelo número e cartazes que colam nas paredes ou os panfletos que distribuem à porta do mercado local ou pelo número de cidadãos que mobilizam para uma greve a fim de torpedear os adversários políticos sejam eles quais forem, não se vai a lado nenhum. Ideias formação e sobretudo ETICA PRECISAM-SE. Também defendo a sua ideia a do sentido de missão e serviço às populações e não acredito mesmo nada na profissionalização dos políticos...e em Portugal muito menos!
Um abraço forte e fraterno .
António

ANTONIO DELGADO disse...

Estima Lúcia,
não tem problema em não vir os ecos, eles não são um espaço para marcar ponto. Vem quando poder ou der jeito. O blog pretende ser, acima de tudo, um espaço divertido e de boa disposição apesar de reconhecer que por vezes toca assuntos muito sérios... mas a rir. Tal como o António Aleixo que “DIZIA VERDADES A RIR AOS QUE ME METEM A SÉRIO”. Sobre as atitudes do Daniel e do PS elas são da responsabilidade dele e da comissão politica que o apoia e devem saber, melhor que ninguém, as linhas com que se cozem e não estou nada preocupado com isso.

Bjs.
António

Jorge Casal disse...

Erráticos. A política à portuguesa é um ofício de errantes. Nómadas. Hoje num tacho amanhã noutro. Sempre com as malas aviadas atrás dum qualquer chefe-dispenseiro de tachos. Quem não sabe fazer nada mas tem algum paleio (o que nem é grande qualidade) «faz política», quer dizer, apoia um dispenseiro de tachos. Como outrora: quem nao queria trabalhar ingressava numa ordem religiosa (e o mosteiro cá está para testemunhar). Destes errantes (ou erráticos) regressados a Alcobaça só esperamos que, dois anos antes das eleições (quantos anos faltam, ainda?), mostrem que fazem qualquer coisinha, pouco que seja, para justificar os votos que «angariaram». Ou será pedir muito? «Angariar», é o efeito de «pedinchar, mendigar», como os errantes de outrora cujo equipamento era um alforge. Quando tinham idade e saude, a resposta daqueles que eles abordavam abrindo o alforge, por-amor-de-Deus, era: «Com essa idade, porque é que não vai trabalhar?». Aqui, os erráticos da política representam-se com malas de viagem (sinal dos tempos). Mas a resposta podia ser a mesma «Queres viver da política? Arruma as malas.Vai trabalhar, malandro!».

A. João Soares disse...

Caro António Delgado,
Quando referi o espírito natalício, não me referia concretamente ao post ou ao seu estilo. Era o resquício de um sentimento em relação a um comentário que lera antes noutro blog de um indivíduo que expressava ódio de morte, que lhe é habitual.
Concordo consigo, com o Guardião e com o Jorge Casal sobre a maneira como encaram a Política com P maiúsculo. Servir o País nas pessoas dos cidadãos. Mas infelizmente, sem qualquer preparação para o efeito, os nossos políticos em vez de governarem para os cidadãos, governam-se à custa da exploração dos cidadãos. Fazem todos os favores a «qualquer chefe-despenseiro de tachos» para mais tarde receberem as recompensas. Isto não é corrupção???
E como se irá dar a volta a isto? A lei, a justiça, o Poder está nas mãos deles. e eles não estão interessados em qualquer mudança.
Abraços, Feliz Natal

Ludovicus Rex disse...

Amigo, passei para te desejar boas Festa, Muita Paz e Alegria.
Um Abraço Fraterno e até já.

Zé Povinho disse...

Eles vão, eles voltam, procurando sempre um lugar que lhes é dado apenas pela subserviência ao chefe. Política é algo mais, é o interesse público, em vez dos interesses das clientelas. Aos políticos exige-se mais, e se não estão dispostos a dar, melhor sería que partissem de vez.
Abraço do Zé

Nilson Barcelli disse...

Há emigrantes e imigrantes.
Na política, há emigrantes e paraquedistas...

Belo post, gostei, mesmo não conhecendo as pesssoas em causa.

Boas Festas, abraço.

ANTONIO DELGADO disse...

Menina do Rio,
Como não pode cativar?
Quer maior prova do que estas belas palavras tão cheias de sentido e que parecem saídas de uma mestra de teosófia que deixou comentadas? Em meu entender e como verdades absolutas que são, as suas palavras servem para qualquer discurso, seja ele local nacional ou global. É por esse dom que as suas palavras me cativam.
De facto, os ecos e comentarios, tentam focar problemas locais de ordem cultural e social, mas tenta faze-lo de forma a que esses problemas sejam focados numa dimensão não apenas local, associando-os a valores éticos ...se consigo isso é outra questão.
Um abraço forte e bem fraterno desde Portugal
António

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo Quintarantino,
eu não tenho dúvidas que ambos são filhos da terra e especialmente o Rogério Raimundo é uma pessoa que muito admiro e na terra tem uma obra INQUESTIONÁVEL especialmente na sua terra... mas como alguém já disse aqui ninguém é perfeito.
Um abraço forte e fraterno
António Delgado

ANTONIO DELGADO disse...

Olá Alzira Henriques,
Obrigado pelo teu comentário que é muito esclarecedor em informações que desconheço, alias aquilo que conheço da Marinha Grande sobre o PCP e a demissão do Presidente da Câmara é o que tem saído nos jornais.
A minha ideia, nesta postagem, foi apenas fazer humor com uma realidade que é muito actual na quadra natalícia: o regresso dos emigrantes para passarem o natal junto da família. Associei a ideia aos dois únicos vereadores da oposição, porque foram exercer actividade politica para fora do concelho e agora regressaram, quase ao mesmo tempo, por razões diversas. O Daniel Adrião, não podia estar mais tempo ausente porque a lei não permitia senão perdia o mandato. E, segundo me parece, continua como assessor em Lisboa e vai a Alcobaça às segundas-feiras às reuniões da câmara e pelos vistos muito ocupado com os problemas da terra como a Lúcia Duarte descreve. O Rogério regressou porque o presidente da Câmara da Marinha Grande de quem era assessor ou adjunto foi, segundo parece, obrigado a demitir-se pelo próprio partido pelo qual foi eleito... Fiz a montagem a preto e branco para dar mais ar de tragédia e prestar um pouco de sentido NEO-REALISTA à política da oposição em Alcobaça, mas a do PSD não é como sabes melhor, alias ela é o retracto fiel da oposição . Sobre o NEO-REALISMO Suponho que o TOTO , um ícone italiano desta categoria de filmologia, se fosse vivo não encontraria melhores argumentos para os seus filmes do que em Alcobaça. Esta terra é mesmo uma terra de CAIXÃO...desculpa de PAIXÃO: ENGANEI-ME!
Bjos.
António

ANTONIO DELGADO disse...

CARO ROGÉRIO
antes de mais quero agradecer a sua participação na tertúlia deste blog porque muito o enriquece.
Sobre a razão desta postagem ela está expressa no comentário que fiz à nossa conterrânea a Alzira Henriques. Apenas quis fazer, com ela, humor e só humor como sempre gosto de fazer com as imagens e comentarios sobre a cultura local. Reconheço que algumas destas imagens são corrosivas quanto baste mas assim, elas poupam-me muitas palavras e expressam melhor o que quero transmitir e motivam mais aderência das pessoas às ideias que quero transmitir e em tempos de economia não esta mal o propósito.
Antes de comentar o que refere quero expressar a minha mais sincera admiração por si e por tudo o que tem feito: primeiro pela sua terra onde tem uma obra que todos nós alcobacenses que assim nos consideramos, nos devemos orgulhar. Oxalá que todas as terras se orgulhassem de ter um Rogério Raimundo, mas na minha opinião um Rogério antes de ir para a Marinha Grande...é esse o meu Rogério e o Rogério de todos os alcobacenses que amam o seu concelho. Ideia que tenho constatado e algumas vezes expresso de modo particular a si por mail.
1º. Sei que o Rogério não abandonou a vereação e sei muito bem o tipo de pessoa ou melhor pessoas que tem no governo da câmara de Alcobaça. Mas sei que o Dr. Sapinho no principio tinha muito medo de si porque era a única pessoa que falava de igual para igual e com argumentação fundamentada e ate tinha happenings muito corrosivos que a população apoiava como forma de denuncia. Independentemente de não o deixarem actuar suponho que a luta politica tem muitos âmbitos e parece-me que o Rogério, talvez por cansaço ou outra qualquer razão que não descortino tenha desistido quando era, para muitos a consciência ética daquilo que poderia ser a politica para Alcobaça. E estou à vontade para dize-lo PORQUE FUI O UNICO A DAR-LHE OS PARABÉNS, NOS JORNAIS, QUANDO CONSEGUIU SER ELEITO VEREADOR...Escrevi-lhe desde Bilbau e faz pouco tempo reenviei-lhe essa missiva quando andava a ordenar documentos nos meus computadores.
2º. Esta questão tem problemas sérios, de ordem Ética, no meu ponto de vista. Desculpe dizer-lhe mas não entendo como sendo vereador de uma Câmara e tem acesso a informação privilegiada, pode ser chefe de gabinete de um presidente de uma câmara que é concorrente de outra. E não sei como isto pode ser compatível sobre o ponto de vista das estratégias dos próprios concelhos. Será que os concelhos não são concorrentes? Será que cada um não tem politicas próprias e segredos concelhios de ordem estratégico e de desenvolvimento tal como têm os estados uns com os outros, dai a espionagem? Sendo o Rogério de um outro partido e numa câmara de outro partido...Era o Rogério um agente duplo, levava trazia informação ...etc, etc,etc. não me quero alongar neste assunto, pela muita admiração que tenho pelo Rogério porque ele pode ser mesmo um verdadeiro lodaçal.
3º. Quanto a este ponto não sei o que se passou senão pelos jornais mas a ideia foi do PCP/CDU, não ficar nada bem visto, tal como não ficou com aquela deputada eleita pelo circulo de Santarém a quem também retirou a confiança politica...
Uma pergunta: Ao Rogério também lhe retiraram a confiança politica na Marinha Grande?
Aproveito para agradecer a sua contribuição nesta tertúlia deixo algumas ideias de um tema que nada tenho que ver mas tenho pena que o Rogério um Alcobacense que muito admiro não saia nada beneficiado com a sua aventura Marinhense e parece que o PCP em nada agradece tantos anos da sua dedicação.
Um abraço forte e fraterno.
António
Ps. Desculpe alguma gralha mas são quase três da manhã

Té la mà Maria - Reus disse...

siempre con tu humor, esto es muy bueno para la salud

obrigado

brit com disse...

O blog "O Cartel"
deseja um Feliz Natal e um Bom Ano Novo, de preferência com mais soluções do que problemas...

Um Momento disse...

Quem dera a muitos poderem ficar...
Nada como a nossa terra Natal para poder Pousar:)))
Desejo eu BOAS FESTAS e tudo de MUITO BOM

Beijo... no teu coração

(*)

ANTONIO DELGADO disse...

Caro Jorge,
Achei muito interessante esta tu comparação da vida dos frades com vida dos politicos. Há muita convergencia nos modos de vida de ambos. Sobre a questão que pões acerca do regresso, dos dois erraticos a dois anos de eleições cabe ao povo do concelho de Alcobaça aquilatar.
Um forte e fraterno abraço.

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo A. João Soares,
Mais ou menos intui essa ideia que afirmou agora, no post anterior. No entanto e apesar de ser critico, não me move nenhum espirito para a criação de conflitos entre ninguém, apesar de ter algumas pessoas que me odeiam ao ponto de receber ofensas como já ficou aqui bem expresso por algum comentador. Sei que não posso agradar a todos/as...paciencia! Esta sua afirmação/pergunta “Fazem todos os favores a «qualquer chefe-despenseiro de tachos» para mais tarde receberem as recompensas. Isto não é corrupção???” de facto dá muito que pensar. E sobre o ponto de vista hermeneutico quase poderia ser uma tese de doutoramento em “historia das ideias”. “ Historia da Cultura”. “ Sociologia da Cultura Politica” em Portugal etc., etc. Até porque a metáfora de “ qualquer chefe-despenseiro de tachos” é rigorosamente válida e verdadeira. É no LOCAL que em meu modo de ver se deve de entender parte daquilo que acontece a nivel NACIONAL.
Um forte e cordial abraço
António Delgado

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo Ludovicus Rex. Agradeço e retribuo os mesmo desejos,
Um forte e fraterno abraço
António

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo Zé Povinho,
Subscrevo: é isso mesmo no entanto o que vemos e passar-se o contrário. Há certo tipo de politicos que não têm a dimensão do ridiculo, não sabem ler entre linhas nem sentir a temperatura da rua sobre as suas praticas. É este tipo de insensibilidade que torna o servir a causa publica, nos actuais modelos que vemos uma autentica vergonha... é só ler os jornais.
Um forte e fraterno abraço
António

ANTONIO DELGADO disse...

Caro Nilson Barcelli,
Nesta caso como são circulações oriundas de jogos de palavras ou cliches sem nivel como esta muito usada por boa parte de alguns politicos “ faça férias fora cá dentro” , no caso das pessoas em causa trata-se de circulação interna (Portugal) mas externa ao concelho de Alcobaça, dai o designativo imigrantes. Paraquedista !? talvez um seja de certeza...mas apenas um!

Para si também Festas Felizes.
Um forte e cordial abraço
António

ANTONIO DELGADO disse...

Amig Te la Maria, Reus
Asi lo entendo yo, el humor. Con la risa sale mucha energia mala...verdad?
Uno de estos dias haré un blog para terapia de la risa y solo con fotos de politicos.

Un Abrazo fuerte e fraterno.
António

ANTONIO DELGADO disse...

Estimados Amigos do Cartel,

Agradeço e retribuo com a mesma sugestão.
Um forte e cordial abraço
António

ANTONIO DELGADO disse...

Estimada UM MOMENTO,
Soubera alguém quanto ele necessita de beijos...
Talvez por ai afagassem a dor dos seus desejos!
FESTAS FELIZES.
Um beijo na ALMA.
António

Sophiamar disse...

Desejo-te um Natal recheado de alegria, saúde, pão na mesa, paz..

E continua a falar de Alcobaça. Passarei, lerei e comentarei sempre que souber.Gosto dos teus posts

Mil beijinhossss

zé lérias disse...

Amigo António:
Passei para desejar
um Natal Feliz e que o Ano-Novo seja portador só de BOAS-NOVAS, para ti e toda a tua família! :)

...mas também li o teu texto que como sempre mistura, inteligentemente, ironia e crítica qb.
Abraço

Lúcia Duarte - não me calo disse...

olá antónio
eu sei que não preciso de marcar o ponto aqui, se cá venho é porque vejo neste blog um espaço de critica com algumas semelhanças com o meu.
gostava de ter mais blogs assim onde as pessoas não temem o que dizem.
mas tenho de discordar consigo quando diz, em relação à postura do adrião, "issi não me interessa". pois a mim interessa e muito. Ele não está lá para isso. se quer ler o jornal (aliás, passar páginas...) que ficásse em casa pois sempre se poupava uma senha de presença e, por outro lado, o adrião, com esta postura, não está a comprometer a imagem dele (em Alcobaça e arredores ela já é bem conhecida e não é pelas melhores coisas!) - compromete, sériamente, a imagem de uma instituição democrática que representa e do povo que votou no ps.
Haverá alguém dentro do ps com dois dedos de testa para travar isto, ou querem continuar a dar votos ao psd para ele continuar a fazer a merda que tem feito no nosso concelho?
Assim não está fácil! O ps não dá mostras de acordar, não quer mudar e, a imagem que vem sendo criada tira-lhe a credibilidade para o futuro.
por favor coloquem na vereação alguém que se preocupe com alcobaça e não com o próprio umbigo. vê como tenho motivos para me preocupar?

ANTONIO DELGADO disse...

Amiga Sophiamar,

Obrigado pelo teu comentario tão cheio de simbolismo. De verdade que é, um luxo, nos dias que correm ter uma Natal pleno de alegria! E, se a mesa estiver cheia de pão nem te digo.Quanto ao Blog, passa quando possas e comenta quando achares por bem.
Também eu te DESEJO FESTAS FELIZES, PLENAS DAS MAIORES ALEGRIA E FELICIDADE e perto do mar que tanto adoras.

BEIJOS CALOROSOS E FRATERNOS NESTE TEMPO DE FRIO.
ANTÓNIO

ANTONIO DELGADO disse...

Zé Lérias,

Obrigado pela mensagem que me deixou sobre o Natal. Também eu lhe desejo uma EXCELENTE QUADRA, na companhia de todas/os que mais estime. Fico grato pela sua apreciação sobre a postagem, ela apenas tenta, dar graça a uma realidade que foi o regresso dos únicos vereadores da oposição à Câmara de Alcobaça, liderada que está pelo PSD.
cordiais saudações.

ANTÓNIO

ANTONIO DELGADO disse...

Viva Lúcia como vai?
Obrigado pela consideração que faz sobre este espaço.
Relativo ao sr. Daniel Adrião, suponho que não me entendeu ou então não me fiz entender.
Claro que tenho interesse sobre aquilo que se passa na minha terra, mas é um interesse particular e como estudioso... sempre tive! Outra coisa é eu ter uma procuração para dizer ao sr. Daniel Adrião e ao Partido Socialista local aquilo que devem ou não fazer e eu não tenho nem TENHO LEGITIMIDADE NENHUMA para o fazer… e porque teria? Quem está na direcção concelhia do PS, ganhou democraticamente eleições que o faço se quiser. Outra coisa é eu concordar com aquilo que têm sido as orientações politicas se as há, neste grupo de trabalho d PS…mas isso é outra história. Partindo do princípio que as considerações que tece “sobre a imagem que vem sendo criada” sobre o PS local entenderá que as pessoas não tomam a parte pelo todo. Até porque segundo li na imprensa nas ultimas eleições internas no PS concorreram duas Listas e quanto julgo saber nunca se uniram e parece-me que é muito salutar não estarem juntas, assim demonstra-se que há varias sensibilidades no interior de um partido. Depois outra coisa são as dinâmicas dos partidos, nestas estruturas, há sempre pessoas a entrarem e a saírem... é assim que se renovam ou enquistam. Entendo que, se a família Socialista considerar que quem está lá neste momento, não serve ou deve de continuar, só tem que fazer uma coisa: prenunciar-se. Alias as minhas observações sobre Alcobaça a politica e seus aspectos culturais, tanto passadas como presentes, nunca foram agendadas por nenhum partido.

quintarantino disse...

Que a vida vos sorria na sua plenitude em todos os dias; Que não se esgote a vossa fé nos Homens; Que a esperança vos anime a cada passo e vos alente em cada percalço; Que uma Luz maior vos alumie e aos vossos. Bom Natal, Boas Festas, Paz – NOTASSOLTAS IDEIASTONTAS.

Fragmentos Culturais disse...

Tens razão... esta é a festa bem tradicional e afectuosa de todos aqueles que fazem centenas de quilómetros só para abraçar a família!

Deixam para trás o conforto material e vêm em busca do conforto da alma e dos afectos de todos os que os esperam num sentido abraço!

**Fraterno Natal**
**Doce Natal**

O Guardião disse...

Caro Amigo
Passei para desejar um Feliz Natal.
Cumps

Zé Povinho disse...

Uma passagem rápida para desejar Feliz Natal.
Abraço do Zé